quarta-feira, junho 06, 2018

Vereador Júnior diz que situação de quem precisa de atendimento em Santarém continua complicada


Blog do Jota Parente - O vereador Junior Pires tratou de um problema muito sério, que fazia algum tempo que não era falado na Câmara, que é questão da Regulação de pacientes de Itaituba para Santarém. Isso é de fundamental importância para população, na área da saúde.
Depois regulação que passou para Santarém, embora quase não se fale hoje, isso tem causado muitos problemas por causa da demora, e com certeza, é um problema que não é nova, mas, muito complexo...
Esse é um problema que atinge o estado todo, e o Brasil. Como toda a nossa saúde aqui pública, hoje, quem faz a regulação desses pacientes que são encaminhados principalmente para Santarém é a SESPA, no estado, e infelizmente, isso não vem, na prática, trazendo um efeito positivo para o paciente, que são submetidos a uma espera muito longa, que demanda muito tempo, meses e há até relatos de ano.
 É um procedimentos que poderiam ter uma melhor resolução para amenizar a dor e o sofrimento daqueles que necessitam dele. Infelizmente, o estado ainda nos transmite uma ingerência muito grande no que diz respeito à saúde pública, por isso, o município de Itaituba sofre e é penalizado por conta dessa situação; hoje eu penso em fazer alguma coisa como vereador; procurar quem de direito para tentar uma explicação para tentar ver se melhora isso aí.
Quando houve a mudança, gerou-se uma expectativa de que esse tempo de espera pudesse ser reduzido, uma vez que o estadual iria ficar responsável pela parte da regulação, mas na prática, com toda sinceridade, não houve mudança nenhuma, e quem sofre e quem é penalizado quem paga a conta duramente é o paciente que necessita de atendimento da rede pública.
Blog do Jota Parente - Foi trocar seis por meia dúzia, por que a gente tirava os pacientes daqui, colocava numa casa de apoio lá em Santarém, um depósito de pacientes, ou nos corredores do Hospital Municipal. Atualmente eles não vão mais para lá, não tem mais esse problema; em compensação, ficam aqui a perder de vista. Foi trocar seis por meia dúzia?
Júnior Pires – Bem, para a gente é difícil avaliar o que está sendo mais vantajoso. Será que tem alguma vantagem, por que anteriormente, como você falou, antes o paciente ficava em Santarém na casa de apoio ou em um leito do Hospital Municipal de Santarém aguardando um atendimento cirúrgico, ou outro procedimento necessário.
Hoje esse paciente ocupa também um leito aqui no nosso Hospital Municipal, podendo ficar quase 30 dias internado esperando essa bendita liberação que é feita pela Sespa do Estado, em Santarém; então, é difícil de se avaliar o que é que melhor, mas, as duas situações são muito críticas.
As coisas estão realmente de mal a pior; infelizmente, é uma realidade que nós estamos nos deparando dia a dia e quem sofre mais com certeza é a população que necessita de central de atendimento médico da rede pública de saúde