terça-feira, setembro 12, 2017

O Furacão Irma, a organização, o funcionamento das instituições e os vândalos

Tenho acompanhado com atenção, tanto pela mídia nacional, como pela do exterior, sobretudo dos Estados Unidos, a passagem do Furacão Irma, pela América Central e pela Flórida.

Hoje à tarde eu ouvia uma rádio de Miami, para saber das últimas, e ouvi um jornalista se reportar a alguns arrombamentos que tem dado algum trabalho para a polícia.

Dizia o indignado profissional da imprensa americana, que a polícia estava sendo obrigada a deixar o trabalho que estava fazendo, no esforço para recuperar os estragos, para correr atrás de vagabundos.

Aí, eu pensei: Miami é a cidade dos Estados Unidos onde moram milhares de latinos, entre os quais, uma significativa parcela de brasileiros.

Só faltava, depois do grande exemplo de organização demonstrada no antes, no durante e no depois do furação, quando as instituições americanas mostraram para o mundo todo, sobretudo para nós brasileiros, como é ser um estado e uma nação organizados, saírem notícias dando conta de que nossos patrícios estivessem envolvidos nesses atos vergonhosos.


Espero que não.

Jota Parente