sexta-feira, agosto 04, 2017

Pesquisa nacional mostra bombeiros e professores em alta, e políticos em baixa

         *Marilene Parente - Saiu uma pesquisa recentemente que mostrou que para o jovem, a sociedade brasileira não é ética. Esse é o resultado de uma pesquisa inédita feita pelo Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial – ETCO, em parceria com o Datafolha. O levantamento constatou que para 90% dos entrevistados, entre 14 e 24 anos, a sociedade brasileira é pouco ou nada ética.
Os números não melhoram nem mesmo quando o alvo do questionamento é o comportamento de pessoas próximas de seu relacionamento. Os próprios familiares foram considerados pouco ou nada éticos para 57% dos entrevistados. 
A avaliação sobre os amigos é ainda pior: 74%. Em relação à própria conduta, 63% dos jovens afirmam que buscam ser éticos na maioria das vezes em seu dia a dia. Apenas para 8% deles é possível ser ético o tempo todo.
Quando confrontados com perguntas menos hipotéticas e mais objetivas, nem sempre mantiveram a mesma firmeza de conduta. Por exemplo, mais de 50% deles concordam ou concordam totalmente que ao comprar um produto é importante saber se a empresa paga impostos e respeita o meio-ambiente. No entanto, 52% compram produtos piratas por serem mais baratos – a justificativa é que não acreditam estar fazendo mal a alguém.
Observou-se ainda uma descrença na possibilidade de ética da sociedade como um todo. Chama a atenção que 56% concordem que não importa o que se faça, a sociedade sempre será antiética. Mais: 55% admitem que é impossível ser ético o tempo todo e 36% avaliam que, para ganhar dinheiro, nem sempre é possível ser ético.
A contradição entre o mundo ideal, ético, e o real, antiético, é intrínseca ao dia a dia dos jovens, principalmente nesse momento em que enfrentamos uma aguda crise de representação e de questionamentos sobre o comportamento de pessoas públicas. Desenvolver resistências às tentações entre o certo e o errado, passa por conhecer o comportamento dos semelhantes. 
Pesquisa exalta bombeiros e professores - A pesquisa encomendada pelo ETCO também questionou os jovens sobre a percepção de profissionais éticos. O resultado apontou que bombeiros e professores são os profissionais com melhor imagem perante esse público. Numa escala de 0 a 10, os bombeiros foram os profissionais mais bem avaliados com uma nota 8,7, seguido pelos professores, que tiveram nota 8,5.
Por outro lado, os políticos são a classe mais mal avaliada, com nota 2,2, refletindo o desgaste de imagem com acusações de corrupção por todo o País. Não à toa, uma das afirmações com maior nível de concordância (51%) é de que a sociedade brasileira seria mais ética se as pessoas participassem pessoalmente das atividades políticas.
  Além da excelente avaliação dos professores e da constatação de que 21% dos jovens não sabem dizer o que é ética, um outro dado bastante relevante apontado pela pesquisa chamou a atenção do ETCO: para 87% dos jovens, conversar sobre o tema com familiares e amigos faria a sociedade brasileira se tornar mais ética.
Como disse o presidente do ETCO, Edson Vismona, o Brasil está passando por um momento inédito, com diversos casos de corrupção sendo revelados e seus responsáveis, punidos. É possível que este seja o início de um ponto de inflexão para a ética no Brasil. Para que isso ocorra, porém, será necessário questionar os parâmetros éticos da sociedade brasileira, incluindo cada um de nós. 
        Os professores serão importantes protagonistas neste processo de transformação por serem vistos como profissionais éticos e por influenciarem milhões de estudantes pelo País, mas, e nós, pais e mães de família, o que estamos fazendo para que nossos filhos 
cresçam em um ambiente onde ética não seja apenas uma palavra a mais do dicionário?

Matéria constante da edição 232, circulando.