quarta-feira, julho 19, 2017

Jornalista do caso Feliciano agora acusa Eduardo Bolsonaro de ameaça

Patrícia Lélis, que virou ré por falsa comunicação de crime, postou o boletim de ocorrência em sua página no Facebook

Reprodução Facebook
A jornalista acusou Feliciano de tentativa de estupro e agora acusa Bolsonaro
de ameaça (foto: Reprodução Facebook)
 A jornalista Patrícia Lélis, a mesma que acusou o deputado e pastor Marco Feliciano de tentativa de estupro e acabou virando ré na Justiça de São Paulo por falsa comunicação de crime, informou, nessa terça-feira (18), ter prestado queixa por "ameaça" contra o deputado Eduardo Bolsonaro na Delegacia da Mulher, em Brasília. 

Antiga militante do PSC, partido dos dois, ela postou foto do boletim de ocorrência e disse que estaria sendo ameaçada por conta de um post na rede social do parlamentar.

Segundo Patrícia, a confusão teria começado por uma resposta dela em um post que circulou em blogs, no qual Eduardo Bolsonaro diria que feminismo é doença. Nele, o parlamentar dizia que a ex-namorada, antes de ser feminista, usava roupas discretas e não rebolava até o chão.  

A jornalista, que alega ter namorado o deputado, fez um textão no qual dizia que sua vida teria sido exposta por Bolsonaro. O post não está na página do deputado, que diz ser falso o print que viralizou. 
"Procurei a polícia, mostrei as mensagens de ameaça que partiram do celular pessoal do deputado Eduardo Bolsonaro, e registrei o boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher", relata a jornalista. 

O boletim divulgado por Patrícia é datado de 14 de julho. A delegacia não forneceu informações sobre a ocorrência.

Interditada

O deputado Eduardo Bolsonaro por enquanto não se pronunciou sobre a acusação da jornalista na delegacia mas, na semana passada, usou seu facebook para dizer que nunca beijou ou segurou na mão de Patrícia Lélis. Em vídeo, disse que Patrícia  "já deveria ser sido interditada". 

Segundo o deputado, o print em que ele falava da ex-namorada para exemplificar as feministas seria montado. “Agora chega de holofote para quem não merece, é isso que ela quer”, disse. 

No gabinete do deputado Eduardo Bolsonaro, a informação é que por enquanto o deputado não vai comentar o caso. 

Acusada de mentir

A Jornalista foi acusada pelo Ministério Público, na Justiça de São Paulo, de mentir à polícia civil e extorquir dinheiro de Talma de Oliveira Bauer, assessor do deputado Marco Feliciano, no caso em que acusa o parlamentar de tentativa de estupro. Laudo da polícia divulgado em agosto do ano passado taxou a jornalista de mitomaníaca, que é um distúrbio de quem tem a compulsão de mentir.

Em 2016, Patrícia acusou Bauer, que chegou a ser preso, de mantê-la em cárcere privado em um hotel de São Paulo. A polícia chegou a pedir a prisão preventiva da jornalista e hoje a investigação do caso está sob a alçada do Supremo Tribunal Federal.