quinta-feira, maio 04, 2017

Protesto dos índios com interdição da BR 230 continua

Foto: Whatsaap
Iniciado no dia 26 de abril, continua sem previsão de liberação a interdição da rodovia Transamazônica, no km 25, cinco km antes do entrocamento com a BR 163.

As lideranças do movimento dizem que há um trabalho no governo Temer para destruir a Funai, da qual quatro servidores locais foram demitidos.

João Kabá disse que a interdição vai continuar, sem dar esperança de que será encerrada.

Falou que não faz parte deles a intenção de usar arco e flecha para ferir ninguém. Só estão armados porque isso faz parte de sua tradição.

O presidente da Funai, segundo informou há pouco uma liderança indígena, marcou para o dia 15 deste mês, uma reunião em Brasília, os líderes munduruku, para tratar das questões que motivaram o protesto.

Já o advogado José Antunes, disse ao jornal Focalizando, que parte das reivindicações dos indígenas não é legítima, citando o caso da exigência para que seja demarcada uma área que nunca fez parte de suas terras.

Antunes criticou a falta de providências do governo federal, que aceita absurdos que são cometidos por seus próprios órgãos, que não reage até à presença de estrangeiros, que vão para cima e para baixo, sem serem incomodados, numa clara ação que fere a soberania nacional.