quinta-feira, maio 04, 2017

Bom para Itaituba e todo o Oeste do Pará: Equatorial tem cinco anos para construir o novo linhão de energia Tramoeste

Dona da Celpa vence leilão para segundo linhão Tramoeste
No dia 24 de abril, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) colocou à disposição, de empresas de transmissão de energia em todo o país, 35 lotes de obras estruturantes para o setor elétrico, sendo que cinco deles estavam voltados ao Pará e um deles, o lote 31, estava direcionado a região oeste do Estado, conhecido como Tramoeste.

Todos os lotes do Pará foram arrematados e, melhor ainda, o lote que gerava mais expectativa entre empresários, políticos, distribuidora paraense (Celpa) e população, foi arrematado pela Equatorial Transmissão – empresa do Grupo Equatorial: mesmo Grupo que controla as empresas Celpa (no Pará) e Cemar (no Maranhão).

O lote arrematado pela Equatorial Transmissão é composto por diversos empreendimentos como as linhas de transmissão Xingu - Altamira, com 61 quilômetros; Altamira - Transamazônica, com 188 quilômetros, e Transamazônica - Tapajós, com 187 quilômetros; além da subestação Tapajós.

O investimento está na ordem de R$ 670 milhões e as obras devem ser executadas em até 60 meses (5 anos). Como o Grupo tem todo o interesse em concluí-las, o momento é oportuno para se buscar parcerias junto aos órgãos competentes, visando dar celeridade no processo de execução dessas obras, pois com elas concluídas, a população poderá usufruir de um fornecimento mais seguro, beneficiando mais de 700 mil clientes da região, que esperam ansiosos por estas obras.

Para Itaituba essa é uma ótima notícia, porque existem empresas interessadas em se instalar no município, como em Miritituba, por exemplo.

Entre elas, há algumas que dependem diretamente de energia elétrica confiável e de boa qualidade, o que não acontece faz muito tempo.

Histórico – O sistema Tramoeste encontra-se em esgotamento há anos, e somente em 2014 a Aneel conseguiu proponente para construir as obras que dariam robustez ao sistema, porém a empresa ganhadora não teve condições financeiras de dar continuidade ao projeto. A partir deste cenário, a Aneel extinguiu a outorga e o empreendimento foi a leilão novamente dia 24 de abril, em São Paulo.

No geral, o estado do Pará vai receber investimentos de mais de R$ 1,2 bilhão em linhas de transmissão de energia.