domingo, abril 02, 2017

Por falta de conhecimento e de uma assessoria adequada, Belloni teve que retirar PL de pauta

Resultado de imagem para fotos de carros no curral do detran, em itaituba
Foto ilustrativa (O Impacto)
Para ser um bom parlamentar, não basta a vontade de quem eleito. É preciso conhecer, ou se não conhece, envidar esforço para se inteirar das atribuições do cargo que ocupa.

O caso do vereador José Belloni (PSDB) é um exemplo bem acabado dessa afirmação.

Ele apresentou um projeto de lei cheio de boas intenções, mas, eivado de equívocos.

O edil queria que veículos apreendidos pela fiscalização de trânsito, depois que ficasse definido que seus donos não iriam mais resgatá-los, pudessem ser utilizados por órgãos do município, ou por entidades beneficentes, em vez de ficar sendo consumidos pela ferrugem.

De fato, é um desperdício o que acontece por causa da infernal burocracia brasileira, que demora uma eternidade para tomar providências, como promover leilões, por exemplo.

O resultado foi que a Comissão de Legislação, Justiça e Redação Final deu parecer contrário ao  projeto de leito do vereador, que foi para apreciação em plenário.

Depois de lido o parecer do relator e a posição contrária da comissão, e após os comentários dos colegas, dentre os quais, um sugeriu que fosse transformado em Projeto de Resolução, José Belloni pediu que o mesmo fosse retirado de pauta.

Para fazer justiça, não é apenas esse vereador que não conta com uma assessoria que possa orientá-lo. A maioria da Câmara tem esse problema.