quinta-feira, abril 06, 2017

As ações emergenciais do governo para diminuir os alagamentos

Apesar do serviço feito na curva da rodovia Transamazônica, o igarapé oriundo voltou a provocar alagamentos, e sempre que isso acontece o projeto da macrodrenagem é lembrado como a solução definitiva para o problema dos alagamentos, pois a macrodrenagem vai ampliar as margens do igarapé e   aprofundar o seu leito e assim permitir uma vazão maior da água.
É bom lembrar que futuramente, toda a água que se acumula na lagoa dos Patinhos também será escoada para o igarapé oriundo, e como a macrodrenagem é um projeto ainda distante de se tornar realidade, a prefeitura, nos períodos chuvosos vai ter que continuar fazendo ações emergenciais para evitar transtornos como os desta quarta-feira (05).
Mas esses alagamentos só causam todos esses prejuízos, devido às ocupações irregulares espalhadas pela cidade.
Na lagoa dos Patinhos, as construções tomaram mais da metade da área onde a água da chuva ficava acumulada, e agora, qualquer chuvinha é suficiente para transbordar a lagoa e alagar as ruas do seu entorno.
O mesmo problema ocorre no igarapé oriundo; como não há por parte do poder público, nenhuma fiscalização, essas ocupações irregulares vão continuar provocando transtornos para quem mora nesses locais sujeitos a alagamentos.
Durante a ação emergencial feita pela secretaria de infraestrutura, ao longo do igarapé, o prefeito teve que negociar a retirar de um barraco para desobstruir a passagem da água, e como os ecos da campanha eleitoral ainda pairam no ar, algumas pessoas usaram as redes sociais para criticar essa decisão do prefeito.
Particularmente, eu entendo que a atitude do prefeito não caracterizou uma desapropriação, e sim, uma indenização para a família ter condições de construir a sua casa em um local mais seguro.
Penso que as críticas seriam muito mais severas, se nada tivesse sido dado ao proprietário do barraco, e ao rigor da lei, isso poderia ter ocorrido, pois área pertence ao patrimônio municipal e foi ocupada ilegalmente.
É por essa e outras razões, que a prefeitura, através do seu setor de tributos, deve efetuar uma fiscalização constante para evitar que os espaços públicos continuem sendo ocupados de forma irregular, pois essa prática tem criado transtornos à sociedade e prejuízos ao erário público.

Jornalista Weliton Lima. Comentário do Focalizando, 06.04.2017