segunda-feira, março 06, 2017

MP 758/2016 é a pior para Itaituba

Essa é a pior de todas para Itaituba, e sua existência já vem causando um grande transtorno para a comunidade garimpeira e para a cadeia produtiva de um modo geral.

Por causa dela, o governo federal, para compensar a área de 862 hectares para passagem da ferrovia que deverá ser construída para transporte de grãos, aumentou a área do Parque Nacional do Jamanxim em 51.350 hectares.

Até aí, aparentemente nada demais, não fosse porque isso inclui a APA onde está localizada a Reserva Garimpeira do Tapajós, onde o ouro pode ser extraído legalmente.

Jogando garimpeiros de todos os portes na clandestinidade, o governo de Michel Temer quebra a principal pilastra da economia do município, que para quem ainda tinha dúvida, está muito abalada por conta da suspensão de atividades da Ouro Minas.

Os comerciantes de todos os setores que o digam. A queda no volume de vendas, que já estava prejudicado, despencou porque essa empresa está com suas atividades limitadas ao comércio de moedas e à compra de ouro de grandes empresas, como a Serabi, por exemplo.

Por isso, mudar o teor dessa MP 758/16 é imperioso para Itaituba e para Novo Progresso, que também sofre com isso. Mas, Itaituba é o mais prejudicado.

Os deputados José Priante, Francisco Chapadinha e Joaquim Passarinho, além do senador Flexa Ribeiro, apresentaram emenda pela qual deve ser excluída a parte que trata dos 862 hectares para a Ferrogrão, eliminando-se, também, o aumento em mais de 51 mil hectares do Parna Jamamanxim.

Outros deputados e senadores, como Josué Bengtson, Júlia Marinho, Zé Geraldo, Jader Barbalho e Paulo Rocha, também estão empenhados nessa missão.