segunda-feira, março 27, 2017

Hilton não deverá ter vida mansa na disputa dos votos de Itaituba, ano que vem. Mas, ele saber se virar atrás de votos

O deputado Hilton Aguiar teve uma votação estupenda em 2014, quando disputou e conquistou a reeleição.

Passou de 18 mil votos somente em Itaituba.

Naquela eleição, ele vivia uma fase de grande aceitação, e ainda contava com o vento favorável que vinha das bandas do então pré-candidato Valmir Climaco, que surfava em enormes ondas de popularidade.

Eliene Nunes, na época, prefeita de Itaituba, era quem mais contribuía para que as velas de Valmir tivessem cada vez mais força para impulsionar a nau de sua pré-candidatura. Mas, em quatro anos muita coisa pode mudar e, certamente, algumas estarão bem diferentes.

A lua de mel do prefeito Valmir Climaco com a população tem prazo de validade, e é bom que tanto ele, como Hilton não se esqueçam disso.

Então, a saúde política do deputado Hilton Aguiar na eleição de 2018 vai estar diretamente relacionada com a situação do prefeito, no período eleitoral.

Se Valmir estiver com a aprovação de seu governo, nas alturas, Hilton poderá ser beneficiado por isso. Entretanto, caso esteja o prefeito com um desgaste de imagem acentuado, o deputado terá que se virar nos 30 para melhorar o quadro.

Embora se diga que o eleitor tem memória curta, é pouco provável que o itaitubense esqueça tão rapidamente o que o governador Simão Jatene prometeu a respeito do Hospital Regional do Tapajós: que a obra seria entregue no prazo 510 dias, mas, caminhando para quatro anos de iniciada, está paralisada.

Logo, vai ser difícil, tanto para Jatene, que deverá ser candidato ao Senado, quando para Hilton Aguiar, que vai tentar mais uma reeleição, usar essa obra para carrear votos, como foi feito na eleição passada. Se o fizerem, será muita cara de pau.

Some-se a isso as outras candidaturas que estão sendo gestadas.

Mas, Hilton aprendeu como poucos políticos da região a gerenciar sua carreira política, trabalhando para ter votos em muitos municípios, pois o pinga-pinga é fundamental para na eleição proporcional.

Isso ficou provado com os 40.435 votos obtidos na eleição de 2014.