quinta-feira, março 02, 2017

Fundador da torcida Mancha Verde foi assassinado com 22 tiros e torcida anuncia fim de atividades

SÃO PAULO — Uma das principais torcidas organizadas de São Paulo, a Mancha Alviverde, anunciou o fim de sua atuação por tempo indeterminado na tarde desta quinta-feira. O anúncio aconteceu em decorrência do assassinato do fundador e ex-presidente da torcida, Moacir Bianchi, e foi feita pela página do grupo no Facebook. “Informamos que em meio a diversos problemas que a torcida vem passando, e em cima dessa notícia de uma morte que deixou todos nós da torcida completamente abalados, comunicamos a todos os associados que a torcida Mancha Alviverde, após 34 anos de fundação, está encerrando suas atividades por tempo indeterminado”, dizia a nota. A Mancha era a maior torcida do Palmeiras.

Moacir Bianchi foi assassinado com 22 tiros na noite de quarta-feira, na zona sul da capital paulista. O caso é investigado pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP). Elisabete Sato, delegada que dirige o DHPP, afirmou ser cedo para apontar a motivação do crime. Bianchi fundou a Mancha aos 15 anos, em 1983, mas nos últimos anos vinha se dedicando mais à escola de samba fundada pela torcida. Havia uma disputa entre os dirigentes da agremiação e integrantes da Mancha pelo controle da organizada.

Durante os anos 1990, a Mancha se notabilizou pela violência das brigas em que se envolvia. Em 1995, a torcida chegou a ser extinta judicialmente depois de promover uma briga com a Independente, torcida organizada do São Paulo, no Pacaembu, que deixou 110 feridos e um morto. Em sua página pessoal no Facebook, Bianchi dizia não querer “o rótulo de organizada mais violenta do Brasil”. “Conseguimos o que queríamos: ser respeitados. Não há um lugar no Brasil que não respeite a Mancha Verde, torcida principal do Palmeiras.

Atingimos o nosso objetivo. Só que ninguém pisa na Mancha...”, escreveu.

O assassinato e o fim da Mancha acontece em um momento em que os clubes de Rio e São Paulo enfrentam restrições às suas torcidas. A Final da Taça Guanabara, entre Flamengo e Fluminense, terá torcida única, por decisão judicial. (O Globo)