quarta-feira, fevereiro 22, 2017

Socorro Oliveira foi empossada ontem como nova diretora da Cadeia Pública

Socorro Oliveira
Aconteceu na tarde de ontem, 21/02, a posse da nova diretora da Cadeia Pública de Itaituba, a socióloga Socorro Oliveira, que no governo da ex-prefeita Eliene Nunes foi secretária de Assistência Social.
Por ocasião da solenidade de posse, Itaituba ganhou um moderno sistema de monitoramento que irá dar maior garantia no Sistema de Recuperação de Itaituba (Cadeia Pública). O novo sistema vai estar ligado em tempo real com o 15º BPM que também estará acompanhando o dia a dia da cadeia através das imagens.
A solenidade de lançamento contou com as presenças do prefeito Valmir Clímaco e secretários municipais, vereadora Antônia do Borrólo, Nery Prazeres gerente do Consórcio Tapajós, que com a prefeitura e o Estado tem parceria no projeto.
Ten. Cel. André
Almeida Cunha
Por ocasião do anúncio e instalação do novo sistema, o superintendente Geral de Segurança Pública, Ten. Cel. André Almeida Cunha, empossou oficialmente a nova diretora do Presídio, ex-secretária da Semdas, Socorro Oliveira.
A diretoria Anelcy Lopes, que respondia interinamente pela direção da Casa penal agradeceu também o apoio de todos, creditando o sucesso do projeto às parcerias firmadas, principalmente destacando o papel do Consórcio Tapajós ali representada pelo ex-prefeito de Novo Progresso e atual gerente da entidade, Nery Prazeres. 
O empresário proprietário da empresa responsável pela instalação do sistema, ao fazer uso da palavra, disse que instalou em pontos estratégicos 16 câmaras Full HD de alta resolução importadas dos estados Unidos, representando o que há de mais moderno e eficiente em termos de tecnologia no segmento segurança, reiterando ainda que haverá uma base também no quartel da PM que estará conectada 24 horas com o sistema e monitoramento da Cadeia Pública para agir de maneira rápida e eficiente em caso de alguma alteração na rotina do da cadeia.
Inclusive, complementando a segurança, vai ser instalado mais um poste extra na rua para que as câmeras também possam ter amplo controle da parte externa do presidio, sendo que as câmaras implantadas terão 360 por 90 graus de alcance, podendo filmar com nitidez até a placa de um carro distante duzentos metros da cadeia pública. O superintendente enalteceu e agradeceu o apoio que a iniciativa obteve em Itaituba, principalmente do Consórcio Tapajós e da prefeitura de Itaituba.
O ten. Cel. fez questão de enfatizar a participação da comunidade local, afirmando ainda que cadeia por si só não é a solução da criminalidade, considerando importante o papel da educação e da família, já que filhos bem-educados não trilharão caminhos tortuosos. 
Em números, mostrou a evolução da segurança pública no Pará, citando que há cerca de 22 anos o estado tinha cerca de 7 unidades prisionais para 712 vagas para presos com lotação de 1.533 o que já representava superlotação e atualmente os problemas continuam já que o estado oferece 8.600 vagas mas existe uma população carcerária de 14.648 presos distribuídos em 45 unidades prisionais, mas que serão ofertadas mais seis mil vagas para que haja uma melhoria significativa na superlotação.
Para o superintendente, o maior desafio não é construir unidades prisionais, mas sim o seu custeio que atualmente está sendo para o Estado um total de 7 milhões e quinhentos e trinta mil mensais. 
O prefeito Valmir Clímaco num breve discurso considerou importante a instalação do sistema e que sua gestão estará dando apoio no que for necessário. 
Por sua vez a nova diretora empossada agradeceu ao prefeito pelo apoio, ao deputado Hilton Aguiar (que foi quem a indicou para o cargo) prometendo desenvolver um trabalho sério e com dedicação em sua mais nova missão na vida pública. 
Ao final foi servido um coquetel aos convidados aos presentes.

Fonte: blog província Tapajônica
Texto e fotos: Nazareno Santos
Edição de Texto: Jota Parente
--------------------------------------------------
Comentário do blog do JP: O Ten. Cel. André Almeida Cunha, segundo a matéria do colega Nazareno Santos, falou da evolução da segurança pública no Pará, em números. E já que falou de evolução em números, deveria ter citado os números gritantes que aterrorizam o Estado com o crescimento constante da criminalidade, que faz do Pará, um dos estados mais violentos da federação.

Belém está entre as capitais mais violentas, enquanto Ananindeua, a segunda maior cidade do Pará, que faz parte da grande Belém, tem estado nos últimos anos, sempre entre as três primeiras mais violentas.

A evolução que o cidadão espera que aconteça é no controle dessa criminalidade desenfreada e totalmente sem controle que o governo do
Estado não consegue estancar. É sobre isso que o povo paraense quer ter boas notícias, mas, não tem.

Jota Parente