segunda-feira, fevereiro 27, 2017

Ismaelino Santos, Arara, o melhor árbitro santareno, morreu aos 87 anos

Resultado de imagem para fotos de ismaelino santos, arara
Foto: blog O Mocoronga
 Ismaelino Castro dos Santos, mais popularmente conhecido como Arara, morreu ontem em Santarém, aos 87 anos. Ele morreu em casa, acompanhado de seus familiares.
No começo dos anos 2.000 ele foi curado de um câncer na garganta. Lutava contra um câncer de próstata, pelo qual foi vencido.
Seu sepultamento aconteceu no final da tarde de hoje, no cemitério São João Batista.
Arara foi o árbitro que mais apitou o clássico entre os dois mais tradicionais clubes santarenos, São Raimundo e São Francisco, o clássico Rai x Fran. Certamente, por causa disso e pela rivalidade das duas agremiações, foi ele quem mais enfrentou problemas apitando esse confronto.
Conheci muito bem Ismaelino Santos, com quem convivi por muitos anos na lida do esporte, eu como integrante da equipe esportiva da Rádio Clube e da Rádio Rural de Santarém, ele como árbitro. Também teve uma rápida passagem como comentarista de arbitragem nos anos 1980, naquela emissora, quando eu comandava a equipe esportiva.
Como torcedor do São Raimundo que sempre fui, organizei duas despedidas para Ismaelino Santos largar o apito, pois a torcida alvinegra reclamava muito de suas atuações, conquanto em muitas ocasiões a paixão pelo seu leão azul falava mais alto e ele marcava algumas coisas que tiravam a torcida do pantera do sério.
Vivenciei vários episódios envolvendo o ex-árbitro. São diversas as histórias que o tornaram uma figura lendária, controversa, e às vezes folclórica.
Para lembrar apenas uma delas, lembro de um jogo do clube do Remo em Santarém, contra o São Francisco, na metade dos anos 1970, quando o leão da capital tinha uma verdadeira seleção, sendo uma equipe respeitada em todo o Brasil.
Ismaelino torcia pelos dois, mas, com o jogo sendo em Santarém e ele no apito, o coração falava mais alto pelo time da casa.
Ele marcou uma falta da qual o ponta-direita Caíto, que era acostumado a dar trabalho para juízes, não gostou.
“Ei, seu Papagaio, o que foi que o senhor marcou? Tá errado!”, disse o jogador do Remo.
Arara chamou Caíto, que foi até ele com cara de poucos amigos, perguntando o que ele queria.
“Olha, pega já o teu cartão vermelho. Meu apelido é Arara, e não, Papagaio. Vai já”, disse o árbitro.
Foi assim que um jogador foi expulso porque errou o nome da ave pelo qual o hoje saudoso árbitro era chamado.
Na próxima edição do Jornal do Comércio vou publicar uma matéria que já comecei a produzir, contando o que eu sei, e garanto que não é pouco, sobre esse homem que deixou sua história escrita e deu sua contribuição importante para o futebol santareno, e da região.
Essa matéria será publica no blog, assim que a próxima edição do JC circular.
Descanse em paz, amigo.