quinta-feira, fevereiro 23, 2017

Gestão de Valmir vive duas realidades distintas nesse início de governo

O prefeito Valmir Climaco vive duas realidades bem distintas nesse início de governo. De um lado a popularidade dele vai muito bem, mas de outro as finanças do governo estão muito mal.
Esse lado ruim começou com a retenção dos recursos do FPM, por conta do débito do município com a previdência social. Até agora, todos os repasses desses recursos foram retidos para pagar essa dívida e, para manter os compromissos em dia, o prefeito está economizando tudo o que pode economizar, sem comprometer, é claro, os serviços essenciais de saúde, educação e na limpeza publica que até aqui, tem sido o motor que vem impulsionando a popularidade do prefeito.
A questão é que essa equação de recursos bloqueados versus contas a pagar ficará cada vez mais difícil de fechar, porque a pressão para o aumento das despesas será cada dia maior, a começar pelos servidores públicos que já estão mobilizados na campanha de luta pela reposição salarial.
Quando se olha o caixa do município, fica difícil imaginar de onde virá o dinheiro para atender as reivindicações dos trabalhadores, que mesmo sendo justa, e embora o prefeito até aqui, tenha apelado para a austeridade, cortando gastos desnecessários, como os alugueis de imóveis, e combatendo o desperdício, a situação das finanças do município está complicada para o prefeito.
Portanto, do ponto de vista da eficiência de gestão, o prefeito está em alta com a opinião publica, o que contrasta com as administrações perdulárias e despreocupadas com as contas públicas que nos acostumamos a ver em governos passados. O desafio do prefeito é manter esse mesmo rumo do governo e tentar aumentar as receitas do município em todos os setores da administração, e uma das frentes que o prefeito visualiza aumentar as receitas é na educação, trazendo mais alunos para as salas de aulas, porque há escolas com salas ociosas, o que é muito ruim para o município, pois estudante fora da escola significa menos dinheiro nas contas do FUNDEB.     
Jornalista Weliton Lima
Comentário veiculado no telejornal Focalizando (TV Tapajoara), quinta, 23/02/17