sexta-feira, janeiro 20, 2017

Posse de Trump ilustra guinada conservadora na política dos EUA Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/posse-de-trump-ilustra-guinada-conservadora-na-politica-dos-eua-20801556#ixzz4WIjEkmde © 1996 - 2017. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

WASHINGTON (O Globo) - Donald Trump assume hoje o governo dos Estados Unidos com a disposição de fazer uma série de mudanças que poderá iniciar um novo ciclo político no país. O mais velho, mais rico, mais outsider e mais inexperiente homem a chegar à Casa Branca tem a chance de dar uma guinada conservadora na nação. Eleito com o discurso nacionalista — em alta no mundo, sobretudo na Europa — o 45º presidente dos EUA se beneficia da onda de direita que se fortalece entre os americanos e se reflete também no Legislativo e no Judiciário.

O desmonte das principais políticas dos oito anos de Barack Obama — que deixa o governo no auge de sua popularidade, mas que não conseguiu eleger um sucessor — é apenas a primeira parte da agenda de Trump e dos republicanos. Mudanças mais profundas poderão ocorrer nas relações trabalhistas, na segurança, em questões ambientais, na imigração, na desregulamentação do sistema financeiro, nas ações positivas a grupos minoritários e em temas sociais, como saúde e o aborto.

— Existe a possibilidade muito grande de uma forte onda conservadora, talvez até mesmo uma tsunami, principalmente se a economia acelerar e Trump não cometer nenhum grande erro — afirmou Peter Hakim, presidente emérito do Inter-American Dialogue. — Os membros do Congresso são mais conservadores que nunca, os extremistas de direita estão organizados como nunca vimos.

Para Eric Farnsworth, vice-presidente do centro e estudos da Americas Society, Trump se beneficia da onda nacionalista.

— A política dos EUA claramente tomou um giro em direção a um foco mais interno, uma tendência que começou na última década e levou à eleição de Trump presidente. É uma vertente do conservadorismo que está forte e se apresenta tanto com os contrários à globalização, como com conservadores sociais e religiosos. A última vez que os EUA viram tal momento politicamente foi durante a década de 1930, com a diferença que era uma Casa Branca controlada por Franklin Roosevelt e um Congresso sob domínio dos democratas.

Tea Party enfraquecido
O conservadorismo que beneficia Trump vem crescendo desde a crise de 2008. A eleição do progressista Obama também foi o combustível para que o grupo se reunisse no Tea Party — que levou o Partido Republicano mais à direita. A aversão à globalização, a imigrantes e um certo temor das rápidas mudanças sociais fizeram com que o grupo ganhasse peso.

A cada eleição, os conservadores conquistam mais governos locais, mais vagas nos Legislativos estaduais e mais musculatura no Congresso. E, até agora, nada dá sinais de que este movimento vá se inverter nas eleição de 2018, no meio do primeiro mandato de Trump — salvo, claro, um governo ruim do magnata.

Atualmente os membros republicanos da Câmara dos Representantes e do Senado sabem que, se fizerem muitos votos não-conservadores, provavelmente encontrarão, na próxima eleição, um oponente de direita bem financiado em uma eleição primária. Eles (os republicanos) não têm medo de perder para um adversário democrata nas eleições gerais, sua preocupação é ganhar as primárias dentro do partido — explica Hakim.

O Judiciário é outro braço importante para esta tomada conservadora — e Trump sabe disso. Ele já prometeu que indicará um juiz “pró-vida” para a Suprema Corte — ou seja, alguém contra o aborto. Além de acabar com o atual empate de forças na instância máxima do país com o nome que será indicado nas próximas semanas, ele terá o poder de indicar até uma centena de juízes para outros tribunais federais, dando capilaridade ao conservadorismo nos estados:

— As novas indicações para cortes por todo o país poderão solidificar a mudança dos EUA para uma direção conservadora — explicou ao GLOBO Michael Traugott, do Instituto de Pesquisas Sociais da Universidade do Michigan.

Mas especialistas indicam que a onda conservadora pode não ser tão eficiente justamente por causa de Trump. Embora tenha sido eleito com estas bandeiras, muitos o consideram um populista.

— Ele abraçou algumas destas ideias, mas há uma certa confusão das linhas que acredita — afirmou Traugott.

David Schultz, professor da Hamline University, afirma que sua fraqueza pode atrapalhar os planos dos conservadores. Trump assume com menor patamar de aprovação da História, perdeu no voto popular e é inexperiente na política. Os protestos que enfrenta desde candidato são uma mostra de seus problemas:


— Trump está prestes a tomar posse e confrontar a realidade. E muitos consideram que ele é um presidente de minoria e que nunca foi popular como candidato. Ele entra no governo enfraquecido.