segunda-feira, agosto 08, 2016

Preços das commodities não devem se recuperar neste ano, diz CEO da Rio Tinto

O CEO da Rio Tinto, Jean-Sébastien Jacques, afirmou, após a mineradora ter o pior lucro subjacente no primeiro semestre em 12 anos, que a recuperação dos preços das commodities não deve acontecer neste ano. Segundo o executivo, o excesso de oferta de minério de ferro está pressionando a divisão responsável pelo lucro da empresa.
De acordo com ele, a alta dos preços dos metais e commodities neste ano, que foi impulsionada pelo setor de construção na China e financiada com dívida, pode não ter continuidade. “O crescimento na China se estabilizou, mas ela está em um longo caminho de transição para uma expansão mais lenta e menos dependente das commodities”, disse a Rio Tinto.
“Ao mesmo tempo, a economia global parece presa a um padrão de crescimento moderado de baixa produtividade que indica a necessidade da continuidade de cautela no segundo semestre de 2016”, ressaltou a mineradora.
A Rio Tinto divulgou que o lucro subjacente caiu 47%, para US$ 1,56 bilhão, no primeiro semestre do ano. O lucro líquido ficou em US$ 1,71 bilhão, mais que o dobro do registrado no mesmo período do ano passado, que foi de US$ 806 milhões, devido a baixas contábeis e perdas cambiais com derivativos.
Os preços de commodities como carvão, minério de ferro e minerais industriais subiram nos últimos meses, alguns se recuperando de mínimas de vários anos, à medida que o ritmo do crescimento da mineração desacelerou, o apetite da China por importados continuou forte e os investidores voltaram aos mercados.
O Índice S&P GSCI de Metais Industriais subiu cerca de 8% durante o primeiro semestre e o minério de ferro foi negociado acima de US$ 50 por tonelada na maior parte do tempo ante uma mínima de US$ 37 em dezembro. O minério de ferro foi sustentado por uma forte produção de aço na China, mesmo depois de o país prometer reduzir o excesso de produção. Ainda assim, os preços permaneceram bem abaixo daqueles registrados no auge do boom das commodities.
Na semana passada, o CEO da Anglo American, Mark Cutifani, afirmou que o setor de mineração deverá enfrentar um mercado mais difícil no segundo semestre. Ele disse estar pessimista sobre o mercado de minério de ferro devido ao aumento da oferta.
Economistas têm recomendado que a China mantenha uma política de afrouxamento monetário e gastos elevados em infraestrutura para atingir a meta anual de crescimento de 6,5% a 7% devido ao enfraquecimento das exportações, queda na demanda e desaquecimento do mercado imobiliário.
O país é o principal comprador da maioria das commodities e metais. A divisão de minério de ferro da Rio Tinto, que registrou uma queda de 17% nos lucros subjacentes, está exposta a qualquer desaceleração na economia da China. Além disso, o início na operação de novas minas e os aumentos dos embarques de minério de ferro da Rio Tinto estão contribuindo para alterar o cenário de preços.

Fonte: Notícias de Mineração