terça-feira, maio 10, 2016

Eça de Queiroz falou dessa esculhambação há mais de 100 anos

“O País perdeu a inteligência e a consciência moral. Não há princípio que não seja desmentido nem instituição que não seja escarnecida. Já não se crê na honestidade dos homens públicos. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos abandonados a uma rotina dormente. O desprezo pelas ideias aumenta a cada dia. A agiotagem explora o juro. A ignorância pesa sobre o povo como um nevoeiro. O número das escolas é dramático. A intriga política alastra-se por sobre a sonolência enfastiada do País. Não é uma existência; é uma expiação. Diz-se por toda parte: O País está perdido!” (...) Por isso, aqui começamos a apontar o que podemos chamar de “o princípio da decadência”.

Esse texto, que faz parte do artigo de Arnaldo Jabor, de hoje, foi escrito em 1871, por Eça de Queiroz. Era a introdução de As Farpas, que lançou com Ramalho Ortigão, em Coimbra.


Eça tinha pouco mais de 20 anos quando começou a esculachar em panfletos a mediocridade portuguesa no Século 19, que nos legou essa herança lamentável aqui em casa. Nada mais parecido conosco. Tudo que explode hoje, já despontava há mais de 100 anos, aqui e em Portugal, do qual somos uma xerox administrativa, diz Jabor.