quarta-feira, maio 04, 2016

Alunos da Ufopa desenvolvem tecnologia de baixo custo para monitoramento ambiental

Estudantes da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) se preparam para implantar, de forma pioneira na região do Oeste paraense, uma rede de monitoramento ambiental à distância na Floresta Nacional (Flona) do Tapajós, município de Santarém. A rede permitirá a aquisição remota, e em tempo real, de dados atmosféricos e ambientais, como temperatura, umidade relativa do ar, pressão atmosférica e luminosidade.
Funcionando de forma autônoma e alimentado através de energia solar, o protótipo desenvolvido na Ufopa é composto por microestações meteorológicas (nós sensores) que, espalhadas geograficamente, monitoram e enviam os dados para um coordenador central, que carrega essas informações automaticamente para a Internet, reunindo-as em um banco de dados. Assim, o pesquisador poderá receber os dados no próprio e-mail ou acompanhar sua atualização em uma página na Web.

Segundo o professor Júlio Tota, coordenador do projeto, a região Oeste do Pará conta com pouquíssimas estações de monitoramento de clima e ambiente. É como esclarece o seu orientando de iniciação científica, Giorgio Arlan Picanço, concluinte do Bacharelado em Geofísica da Ufopa: "Temos algumas torres meteorológicas para obtenção de dados atmosféricos, mas, até então, são utilizados aparelhos que armazenam os dados em mídia física. É necessário o deslocamento do pesquisador até o local do equipamento, o que dificulta a coleta de dados".

Diferentemente das torres já existentes na região, o sistema elaborado na Ufopa é baseado no conceito das redes de sensores sem fio – protocolo que vêm sendo amplamente utilizado para monitoramento ambiental  no mundo. Essa tecnologia facilita o monitoramento de áreas amplas e remotas, pois não requer grandes estruturas físicas de comunicação e energia, como cabos e torres.


Assessoria de Comunicação da UFOPA