terça-feira, março 22, 2016

Cebola foi para o PSD. Bom para Eliene

Corajoso que só ele, o presidente da Câmara, vereador João Bastos Rodrigues (Cebola), surpreendeu ao decidir filiar-se ao PSD.

Hoje, o até então único vereador do partido na Câmara de Itaituba, partido de Gilberto Kassab, Toínho Piloto, visivelmente contente comunicou da tribuna a nova aquisição, desejando boas vindas ao novo integrante.

Há duas semanas Cebola disse para o blog que estava decidindo o que fazer e a que candidato majoritário seguir na eleição de prefeito.

As maiores especulações nas rodadas políticas giravam em torno dos nomes de Valmir Climaco e Ivan D'Almeida. Mas, ele surpreendeu.

Se Cebola teve tanta firmeza para tomar tal decisão, é porque a prefeita Eliene Nunes deve ter garantido a ele que continua e vai continuar no comando do PSD, partido do qual resistiu em sair, apostando que voltaria para ela.

Quem tirou o partido de Eliene foi o deputado federal Francisco Chapadinha, neófito na política, que nem sabia se ficaria nele, ou se iria para outra agremiação, e que por enquanto não disse ao que veio como deputado federal.

Tomou para dar para Valmir, que pelo andar da carruagem vai ter que engolir esse sapo.

Chapadinha pegou suas malas e cuias e se mandou para o PTN, e com isso, deixou Valmir na mão e jogou o PSD novamente no colo de Eliene.

A prefeita ganhou a queda de braço, e de quebra ganha agora uma adesão que tem que ser respeitada, pois Cebola é um vereador calejado na política local, tendo conseguido renovar seu mandato seguidamente.

Ainda é muito pouco cacife para Eliene Nunes, que até agora não conta com muita gente de expressão para subir com ela em seu palanque, mas, para quem estava com tão pouco, a ida de Cebola para o seu lado já é um acontecimento político digno de registro.

A prefeita precisará remar contra a correnteza, por o mar está brabo para ela, que continua muito mal avaliada pelo eleitorado. Terá que mostrar uma habilidade que não mostrou desde que assumiu o governo municipal.

Na verdade, o que ela fez foi enxotar todas as lideranças que subiram com ela no palanque e deram suporte político ou financeiro para sua campanha. Entre esses, tem alguns que vão fazer campanha contra ela, de graça. E nada pior para um candidato, do que um ex-aliado zangado. E não são poucos os que se enquadram nesse parâmetro.

Todavia, como diz o ditado, que o risco que corre o pau, corre o machado, será que com os nomes que tem até agora, o PSD conseguirá reeleger dois vereadores?

Isso só o tempo responderá.

Essa é a leitura que eu faço deste momento.

Jota Parente