quarta-feira, março 30, 2016

Bate boca na Câmara entre os vereadores Célia, Isaac e Peninha esquentou o clima

Vereador Célia Martins
Foto: JParente
Vereador Isaac Dias
Foto: JParente
Nas sessões da Câmara de ontem e de hoje, a vereadora Célia Martins, do PMN, terminou chamando atenção às avessas.

Ontem ela chegou atrasada à sessão, alegando que a balsa saiu atrasada.

A vereadora pediu para usar a tribuna, mas, o presidente da sessão, vereador Isaac Dias não permitiu porque ela não estava inscrita.

Ela ainda chegou a pedir que Isaac colocado seu pedido em votação, mas, ele evocou o Regimento Interno para explicar o pedido não poderia ser atendido.

Vereador Peninha:
Foto: JParente
Isso gerou um bate boca entre os dois fazendo o clima esquentar ao ponto de Isaac ameaçar pedir que a vereadora deixasse o plenário.

Célia permaneceu, mas ficou um clima ruim depois do bate boca entre ela e o presidente da sessão, que ameaçou pedir para que ela se retirasse do plenário.

Na sessão de hoje, Célia criticou o vereador Peninha por conta da fala dele de ontem, quando ele fez umas cobranças da prefeita Eliene Nunes.

Peninha falou bastante sobre o problema do famoso desvio, de Miritituba, fruto do trabalho mau feito pelo 9º BEC.

O edil disse que na condição autoridade máxima do município, a prefeita Eliene Nunes já deveria ter assumido a responsabilidade de tratar desse assunto junto às autoridades de Brasília, sem cobrar que fosse o município que tem que fazer o serviço.

A vereadora que mora em Miritituba, falou que Peninha tinha usado de demagogia no seu discurso de terça-feira, além de fazer outras críticas a eles.

Quando chegou sua vez de falar, Peninha respondeu à vereadora dizendo que primeiro ela precisava compreender o significado da palavra demagogia da qual foi acusado por ela.

Célia, mesmo sem ter direito regimental, ficou retrucando.

De novo o vereador Isaac Dias que estava presidindo a sessão, voltou a advertir Célia.

Peninha pediu que fosse advertida por escrito, o que Isaac disse que fará.

Ela continuou resmungando por mais alguns instantes, até o momento em que Isaac ameaçou pedir sua retirada da sessão.

Não fosse por esse episódio, as duas sessões do legislativo teriam dado sono de tão desinteressante, com discursos que não empolgaram os poucos presentes.

Para não dizer que não houve nada com alguma relevância, quando o uso da tribuna tinha se esgotado, o vereador João Paulo Meister, do PT, pediu que fosse feito o intervalo regimental de 15 minutos, o que raramente acontece.

A razão do pedido era para que a Comissão de Terras desse parecer em diversos pedidos de alienação de terrenos.

Os documentos estavam adormecidos na comissão há algum tempo, e ninguém conseguiu explicar porque não foram dados os pareceres anteriormente, porque, pelo volume de processos, era impossível que os vereadores da referida comissão tivessem condições de analisar se quer um deles, que dirá um monte.

Foram analisados e votados em tempo recorde.