sexta-feira, janeiro 22, 2016

Estender a concessão da BR 163 até Santarém requer uma luta árdua

É justa a luta de Santarém, com apoio de todos os municípios da região, para que o projeto de concessão da BR 163 seja estendido até aquela cidade.

É justa e é importante, não só para Santarém, mas, para os municípios da região que tem ligação rodoviária com aquele município.

Não vai ser fácil, e não vai depender apenas de vontade política de Brasília, pois o projeto de concessão já está concluído, e mexer nele vai requerer um esforço muito grande do prefeito Alexandre Von, de todos os políticos santarenos, de apoio dos demais municípios que de alguma maneira serão afetados por essa concessão e até de políticos de fora.

É complicado porque se trata de um negócio, e sendo um negócio, as empresas que se credenciarem para participar do leilão terão como primeiro mandamento, conseguir lucro, quanto mais, melhor.

Não interessa a nenhuma empresa que esteja de olho nesse negócio, que o trecho seja estendido, sobretudo quando se sabe que o fluxo de veículos é e continuará sendo bem menor, de Campo Verde para Santarém, do que até Miritituba.

Outro elemento que complica essa pretendida mudança é o tempo, pois o leilão já tem até data para acontecer: setembro deste ano.

Mudar o projeto significa refazê-lo, e isso demanda tempo, que não é curto.

Os empresários do agronegócio tem pressa, uma vez que com a estrada sob concessão, sua manutenção estará garantida; o governo federal tem pressa, porque não tem dinheiro para nada, e assim sendo, os buracos se multiplicariam pela pista da rodovia, caso não acontecesse a entrega para a iniciativa privada.

Essa concessão da Santarém-Cuiabá não está sendo feita com a preocupação de atender aos interesses do estado do Pará, muito menos, de seus municípios afetados, mas, exclusivamente para servir para o escoamento da produção de grãos do estado de Mato Grosso. Por isso, nesse momento, a mudança pretendida para que a empresa vencedora assuma, também, o trecho até Santarém, é justa, mas, de difícil concretização.

Seria muito bom para todos nós que acontecesse. Não existe nenhuma razão plausível para se torcer contra, porque a não inclusão de Santarém nesse projeto não representa ganho para ninguém nesta região. Pelo contrário, todos nós perdemos, dadas as ligações que todos temos com a maior cidade do Oeste do Pará.

Se for feita a mudança que se deseja, em pouco tempo, ir de Itaituba, ou de outro município da região, para Santarém, vai ficar um pulo.

Quiçá o resultado dessa luta seja positivo!

Jota Parente