quinta-feira, dezembro 24, 2015

Informe JC

Deixa o gato 1
Numa residência da cidade, no bairro Jardim das Araras, um consumidor começou pagando uma conta de mais ou menos R$ 400,00, a qual foi subindo, subindo, até chegar perto de R$ 800,00. Um belo dia, numa inspeção de rotina, o pessoal da Celpa Equatorial detectou um problema no contador da casa, que ficava ao lado de outro consumidor.

Deixa o gato 2
O problema era que o vizinho tinha mandado fazer um gato para o contador em questão. Os técnicos informaram o consumidor lesado, o que estava acontecendo, tendo retirado os dois contadores, colocando outros no lugar. Mas, aí começou um problema mais sério para o dono da casa que pagava energia por dois.

Deixa o gato 3
Já sem o gato, e portanto, devendo ter seu consumo bastante reduzido, uma vez que apenas um casal que mora na casa, sendo que os dois passam o dia todo fora, trabalhando, veio uma surpresa ainda pior: o consumo mensal foi subindo, subindo, até passar dos R$ 2.000,00. Com isso, o consumidor declarou para a coluna, que estava pensando em pedir a reinstalação do medidor antigo, com gato e tudo, porque saía muito mais barato para ele. Moral da história: há casos em que o roubo de energia do seu vizinho, direto do seu contador, sai mais barato do que a Celpa.

Orçamento aprovado
O orçamento de 2016 e a Lei de Diretrizes Orçamentária do ano que vem foram aprovados na última sessão ordinária da Câmara Municipal, dia 16 de dezembro. E foi aprovado sem o parecer do relator da Comissão de Finanças, vereador Isaac Dias. O presidente da Casa de Leis, vereador João Bastos Rodrigues, evocou uma prerrogativa que lhe concede o Regimento Interno para determinar que o orçamento e a LDO fossem discutidos e votados na comissão, para depois ir a plenário. Isso foi feito, e apenas com a abstenção de Isaac, o orçamento e a LDO foram aprovados. Houve vereadores não alinhados com o governo, que justificaram ter votado a favor porque se não, não começaria o recesso parlamentar. Bela justificativa!

Sem competência
Quando participava do programa O Assunto É Este, sábado (19/12), o vereador Isaac Dias (PSB) disse que o contador da prefeitura, senhor Augusto, em reunião com diversos vereadores, em uma sala do aeroporto, para falar sobre o orçamento de 2016, que se encontrava na Câmara, afirmou em tom áspero, que os vereadores não tinham competência para discutir orçamento coisa nenhum. Isaac elevou o tom da prosa, informando que iria se retirar do recinto, diante da ofensa, porque não tinha mais nada para fazer ali. Foi então que o contador, sentindo que tinha carregado demais na mão, teve a humildade de reconhecer que havia se excedido, pedindo desculpas a todos pelo oque disse. Depois disso, Isaac permaneceu no local.

Afinal, quanto é?
Há alguns meses, a Coordenadoria de Tributos do município, atendendo a solicitação do Poder Legislativo, informou que a arrecadação própria relativa ao ano de 2014 foi de aproximadamente R$ 19 milhões. Faz poucos dias que a Secretaria de Administração mandou para a Câmara, em atendimento a uma solicitação da Comissão de Finanças e Orçamento, a mesma informação, só que com números bem diferentes. De acordo com a SEMAD, tudo que foi arrecado diretamente pelo município, no mesmo ano, somou alguma coisa mais do que R$ 11 milhões. A diferença entre uma informação e outra ficou na casa dos R$ 7 milhões.

Semáforo da Tranza 1
Grandes filas de carros e motos tem se formado pela Transamazônica, nos dois sentidos, no semáforo que foi instalado pela Coordenadoria Municipal de Trânsito, na confluência com a Décima Terceira Rua. Tem gente dizendo que o tráfego fluía melhor quando não havia sinal. Pelo visto, o problema está relacionado com o tempo de cada um deles, de modo especial, quando se trata do tráfego da Transamazônica. O tempo é curto, o que faz com que grandes filas de carros e motos sejam formadas.

Semáforo da Tranza 2
A coluna Informe JC constatou que em muitos casos, motoristas que param longe do sinal, precisam esperar que o semáforo abra e feche, de duas a três vezes, até chegar sua vez de passar. Com as motos o problema é menor, porque os motociclistas se adiantam para perto do sinal, e quando ele abre, já passam.

Semáforo da Tranza 3
A ideia da colocação de algum tipo de orientação que pudesse disciplinar o trânsito no local sempre foi defendida pelo Jornal do Comércio e pelo blog do Jota Parente, que continuam entendendo que isso é importante. Entretanto, pelo jeito, é necessário que a COMTRI faça uma análise da situação colocada, para reprogramar o tempo, no que se refere à Transamazônica, por onde o número de veículos que trafega é muito maior do que pela Décima Terceira. Ninguém é louco o suficiente para pedir que o semáforo seja desativado, mas, diante das reclamações, e levando-se em consideração o bom trabalho que o coordenador João Paxiúba vem fazendo, certamente ele analisará o caso com atenção.

Na edição 208 do Jornal do Comércio, circulando