terça-feira, novembro 10, 2015

Liberdade de presos acusados de tráfico de droga deixou PMs revoltados

Por Mauro Torres (Departamento de Jornalismo da TV Tapajoara)
No último final de semana, as redes sociais, em Itaituba, foram invadidas por uma mensagem que manifesta a revolta de policiais militares por conta de uma decisão judicial que, segundo eles, se contrapõe ao desejo da sociedade por Justiça.

Um intenso trabalho de investigação, envolvendo o Serviço Reservado da PM, com apoio do Grupo Tático e policiamento ostensivo, sob o comando do próprio comandante do 15º Batalhão de Polícia Militar (BPM), tenente-coronel Luis Barbosa, resultou na localização e prisão de um grupo de pessoas acusadas de envolvimento com o tráfico de drogas.

Junto com o grupo, foram encontrados mais de cinco quilos de drogas. O bando foi apresentado no plantão da delegada Suelen Costa, na Seccional de Polícia, onde foi feito o flagrante.

O procedimento flagrancial foi homologado pela Justiça Criminal, mas o quarteto foi liberado dias depois.

Essa decisão acabou provocando a revolta de alguns policiais militares que estiveram envolvidos na operação. Essa revolta se acirrou no momento em que, segundo os policiais, quando os indivíduos foram liberados, alguns deles passaram em frente ao quartel do 15º BPM se manifestando em tom de sarcasmo e menosprezo.

A mensagem que circulou nas redes sociais falava de falta de respeito com o trabalho policial e da falta de apoio da própria sociedade. Também foi cobrado um posicionamento da imprensa.

Diz a nota: “quase uma semana depois da maior apreensão de drogas do município nesse ano, todos os detidos naquela ocasião já estão em liberdade. Não estou aki para tentar achar um culpado por essa falta de consideração com o serviço policial, mas sim p cobrar dessa sociedade o porque que ninguém se manifesta em pelo menos se preocupar em saber o motivo pelo qual todos foram postos em liberdade”.

Ao finalizar, a nota reforça: “Por isso que aqui em itaituba de tudo acontece e nada vai pra frente, dos governantes aos elementos de execução da lei”.

Em conversa com a reportagem, o subcomandante do 15º BPM, major Pedro Cardoso, preferiu se limitar ao trabalho desenvolvido pela Polícia Militar, que finalizou com a apresentação do bando, que foi posto em liberdade menos de uma semana depois.

Mauro Torres
---------------------------------
A editoria do blog: De acordo com o despacho do juiz Sidney Falcão, não há nos autos comprovação de que com os flagrados forame encontradas substâncias entorpecentes, apontando somente que certa quantidade de droga foi encontrada, não havendo comprovação quanto a tal quantidade, nem sua existência. Não consta auto de apreensão da substância supostamente encontrada em poder dos acusados.

E no que pese a grande quantidade de droga, realmente não qualquer indício que subsidie atribuir aos flagrados a propriedade da substância encontrada.

Mais adiante diz o despacho:

1. Após serem postos em liberdade, deverão apresentar-se à Secretaria da Vara Criminal, portando comprovante de residência.

2. Proibição de frequentarem bares, boites ou lugares congêneres que comercializem bebidas alcoólicas.

3. Deverão apresentar-se mensalmente à Secretaria da Vara Criminal a fim de justificação de suas atividades.

4. Obrigação de manterem seu endereços atualizados.

5. Obrigação de recolherem-se entre 21 horas e 06 horas da manhã.

A desobediência a qualquer das medidas cautelares, bem como o cometimento de novo delito importará na revogação da presente decisão e consequente imposição de prisão preventiva em desfavor  de ambos.

Resta saber se essas pessoas cumprirão alguma dessas determinação do juiz, pois esse pessoal é velho conhecido da polícia.