quarta-feira, novembro 04, 2015

Escola de segundo grau de Miritituba foi o assunto na Câmara, quarta

Prof. José Edinaldo
Foto: JParente
Alunos do 2º grau, de Miritituba
Foto: JParente

O assunto principal da sessão de hoje da Câmara foi o protesto pacífico dos alunos de segundo grau do distrito de Miritituba, que foram pedir apoio para ver se anda a construção da escola que o governo do estado prometeu, mas, que não saiu do papel até agora.

As cadeiras ficaram completamente tomadas pelos estudantes, que colocaram algumas faixas na entrada do Poder Legislativo e levaram cartazes para dentro do prédio, nos quais externaram sua decepção pela não construção da escola, da qual, nem mesmo o muro a primeira empresa que ganhou a licitação conseguiu terminar.

O professor José Edinaldo, representando o grupo de alunos, usou a tribuna, ocasião em que discorreu sobre o problema.

Ele disse que alunos e professores não aguentam mais ouvir promessas.

“Chega de papel, chega de ofícios, queremos ver ações concretas do governo” disse ele.

É oportuno destacar, que o governo do estado promoveu uma licitação para a contração de nova construtora para essa escola. Isso aconteceu no dia 15 de agosto. Em setembro a licitação foi sustada, sob a desculpa de que era preciso fazer algumas adequações na planilha de custos da obra.

Após sua fala, os vereadores Isaac Dias, que tem ligações com o distrito, Célia Martins, que é de Miritituba, Peninha, além de outros, falaram a respeito desse problema.

Peninha e Isaac Dias defenderam uma radicalização, caso o governo do estado não faça o que já deveria ter feito há muito tempo.

Para Peninha, não adianta só conversar porque o governo vai sempre empurrando com a barriga. Ela propôs aos estudantes, que se não tiver outro jeito, que a BR 230 seja fechada para impedir a passagem de carretas para os portos graneleiros, pois isso vai doer no bolso dos poderosos.

É só essa a linguagem que esse pessoal entende, disse o vereador, citando os casos de Campo Verde e da Estrada do BIS, locais que a população fechou para poder ser ouvida.

Já Isaac Dias disse, que na audiência pública que está marcada para o próximo dia 13 em Miritituba, para discutir a implantação de mais um porto, os alunos devem estar presente para fazer ouvir seu grito, pois haverá representantes do governo federal e do governo do estado.

Caso não sejam atendidos, aí sim, devem partir para ações mais contundentes, como a ocupação da rodovia.

Esperava-se que algum aluno se manifestasse, mas, a turma entrou muda e saiu calada da sessão.

Esses jovens devem dar força aos professores que lutam por eles, em vez de ficarem sentados, apenas aplaudindo, pois como foi dito, eles farão parte do grupo dos que comandarão o município em um futuro próximo.


Aliás, a juventude anda muito quieta. Talvez muito decepcionada com tudo que acontece envolvendo a política e os políticos de todo o país, mas, esse não parece ser o melhor caminho, pois a energia que tem os jovens, desde que canalizada de forma correta, pode mudar muita coisa, como mudaram os caras pintadas em 1992.