sexta-feira, outubro 09, 2015

Educação no Pará é a pior de todo o Brasil

Um novo índice de avaliação da educação brasileira confirma o que vem sendo divulgado ao longo dos últimos anos: o Pará tem a pior educação do Brasil. O Índice de Oportunidades da Educação Brasileira (IOEB) foi elaborado a partir de diversos índices educacionais, de 2009 a 2014, e engloba a educação básica - do infantil ao Ensino Médio. A pesquisa do IOEB mostra que o Pará, com nota 3,5, é o Estado com a pior qualidade de educação do País, em último lugar no ranking. Outra péssima notícia para o povo paraense: Belém é pior entre todas as capitais brasileiras, com nota 3,5. 
Entre as demais cidades que compõem a Região Metropolitana de Belém, a situação também é complicada. Do total de 5.245 municípios analisados do País, Ananindeua é a 4.275ª no ranking nacional, com nota 3,6; Marituba na 4.905ª posição, com nota 3,2; Benevides na 4.357ª e nota 3,6; Castanhal na posição 4.351º e nota 3,6; Santa Izabel do Pará na 4.490ª posição com nota 3,5; e Santa Barbara do Pará na 4.846ª colocação com nota 3,3.
O IOEB foi desenvolvido por Reynaldo Fernandes, ex-presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e criador de outro importante índice, o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). O IOEB não avalia apenas a escola, mas toda a rede de ensino dos estados e municípios. No resultado final, numa escala de 0 a 10, o Brasil ficou com nota 4,5. O Pará ficou com 3,5, último lugar no ranking. Maranhão e Bahia ficaram com 3,6 cada, e Amapá e Alagoas com 3,7 cada, completando a lista inversa da qualidade da educação.

CIDADES
As três cidades mais bem colocadas do Pará foram Parauapebas (2.900º colocação), Ulianópolis (3.083º) e Paragominas (3.419º). O índice classifica as cidades e estados brasileiros de acordo com sua contribuição para o sucesso educacional de seus cidadãos. O resultado é um ranking que elege os lugares com mais e menos oportunidades em educação básica no país.
O Índice de Oportunidades da Educação Brasileira é uma soma de vários indicadores, entre eles o tempo médio do aluno em sala de aula, a formação dos professores e a experiência dos diretores. O IOEB não avalia apenas a escola, mas toda a rede de ensino do estado ou município, tanto a particular quanto a pública.
(Luiza Melo/Diário do Pará)