sexta-feira, outubro 16, 2015

Com o Preço Nas Alturas, Ouro Faz Crise Ser Mais Leve em Itaituba - Parte 1

     No tempo em que houve hiper inflação, nos anos 1980, quando a moeda era o Cruzado e mais tarde o Cruzado Novo, Itaituba tinha sua própria moeda, o ouro. Os negócios eram fechados em gramas ou quilos de ouro. Atualmente, com a crise na economia nacional, a moeda local usada é a mesma do restante do país, mas, como naquele período, o ouro continua ditando o humor do mercado itaitubense. E para falar sobre a grande influência que o ouro continua exercendo sobre a economia local e regional, o Jornal do Comércio conversou com os empresários Francisco Trentino e Dirceu Frederico, sócios-proprietários da D´Gold.
JC - Com o atual preço do grama do ouro, Itaituba passa por um bom momento na sua economia, apesar da crise nacional?
Francisco Trentino
Foto: JParente
Trentino - De fato, o preço do ouro está muito bom e isso é ótimo para a nossa economia, tanto do nosso município, quanto dos municípios da área da reserva garimpeira do Tapajós. Hoje (02/10) o ouro está na faixa de 1.114 a 1.115 dólares a onça, ou R$ 135,00 o grama nas compras de ouro em Itaituba. Esse preço é para o ouro mil. Então, enquanto na maior parte do Brasil sofre com uma crise econômica aguda, nós aqui temos o ouro que nos ajuda a superar essa fase da economia nacional. Um detalhe importante é a subida do dólar, que para o mercado de ouro do Brasil é muito bom, assim como para quem exporta o que produz, como calçados e outros. 
JC - Dirceu, no começo de 2006, quando o Jornal do Comércio tinha apenas alguns meses de circulação, o preço da onça de ouro estava em torno de U$ 400,00. Na ocasião você afirmou em uma entrevista ao JC, que aquele preço não era nada atrativo. Somente quando alcance o valor de pelo menos U$ 800,00 compensaria. Hoje, passou muito disso, não é?
Dirceu - É verdade. Lembro dessa entrevista. De lá para cá, nós tivemos um aumento significativo no preço do ouro, que é uma comodity internacional, incluenciada pelas diversas crises que tem havido em vários países. Teve picos mais elevados, mas, hoje se mantém em torno de U$ 1.100,00 e U$ 1.200,00 a onça. Transformando isso em quilo, dá mais ou menos U4 37 mil a U$ 38 mil dólares o quilo. Com esses valores, ficou muito atrativo produzir ouro. 
    O maior valor que o ouro alcançou até hoje no mercado internacinal foi U$ 1.850,00, o que dá aproximadamente U$ 59 mil dólares o quilo. Aqui a gente não sentiu muito os efeitos positivos disso na economia porque o dólar estava a R$ 1,70. Mesmo assim, o quilo chegou a R$ 128 mil. Isso foi la por 2011 a 2012. No momento, com a alta do dólar, chegamos a ter o grama do ouro negociado a R$ 155 na bolsa, ouro mil. Se a gente chegasse nos dias de hoje ao patamar de U$ 1.850 a onça, o preço do grama ouro mil teria chegado a R$ 236. A tendência continua sendo de alta do preço, e podemos imaginar que ainda este ano, ou começo do ano que vem poderemos chegar ao patamar de R$ 160 a R$ 170 o grama na bolsa. Essa é a perspectiva do mercado com a qual a gente convive.
JC - O custo da produção de ouro subiu consideravelmente por diversos motivos. Um deles é a maior dificuldade para encontrar o metal, diferente do que acontecia no auge do ciclo. Apesar disso, com esse preço do grama o custo-benefício está compensando?
Trentino - Mesmo com esse aumento do preço do combustível que a gente teve há poucos dias, o ouro a esse preço o grama paga qualquer custo deixando bom lucro para o garimpeiro. Está todo mundo correndo atrás de modernizar seu maquinário porque o valor do ouro está compensando. Se essse preços e mantiver, os garimpeiros vão continuar se empenhando cada vez mais para aumentar sua produção. Ressalte-se que garimpeiros que estavam parados, estão voltando à ativa porque está sendo compensador produzir ouro. Até pouco tempo, quando um garimpeiro pegava dez gramas não queria mais trabalhar. Hoje dez gramas valem mais de R$ 1.000,00.
JC - Quanto custa produzir um grama de ouro, hoje?
Dirceu - Como comprador de ouro e como garimpeiro há quase 25 anos, eu faço contas de quanto um carote de óleo diesel (60 litros) precisa produzir para dar lucro. Ou seja, quantos gramas de ouro devem ser extraídos com um carote para que o trabalho compense. Hoje, com o advento da PC há um custo adicional desse equipamento. Então, a conta que eu faço é de que onde eu consigo tirar nove gramas de ouro com um carote de óleo diesel, eu sei que eu empato a conta. Só começo a ganhar com uma produção acima de nove gramas por carote. 
     O maior custo do garimpo chama-se óleo diesel, o segundo maior são peças de reposição. Eu venho fazendo essa conta há vários anos, atualizando-a sempre. Então, se eu produzir ao menos nove gramas com um carote de óleo diesel eu empato, ou ganho um pouquinho. Antes, quando o valor do grama estava bem mais baixo, essa conta chegava a 13 ou 14 gramas por carote. Com o bom aumento do preço do grama de ouro essa relação mudou. 
     Em função de tudo isso, o custo da produção de um quilo de ouro está entre R$ 70 mil e R$ 80 mil. Entra nessa conta de despesas, equipamento, combustível, alimentação, comissão do pessoal. Fica em mais ou menos 70% o custo de produção. Com a mecanização, baixões onde antes era antiprodutivo trabalhar, porque o ouro era pouco, (relação grama/tonelada) tornou-se compensador porque você abaixa o custo operacional e aumenta o volume produzido.
JC - É possível estimar quanto ouro é comprado, mensalmente, legalmente pelas compras de ouro formais do município de Itaituba?
Trentino - Estima-se entre 400 e 500 quilos todo mês, apenas por parte das DTVMs, porque existem por aí umas quinze ou mais compras de ouro ilegais que não tem como dar nota fiscal para o garimpeiro. Creio que saem mais de mil quilos de ouro de Itaituba todo mês, somando-se o que sai de maneira ilegal. E nesse meio incluem-se os que compram ouro em quartos de hotéis, que também são ilegais. O governo federal deixa de arrecadar muito e o município deixa de arrecadar porque falta uma presença firme do ente governamental para evitar essa grande evasão de divisas que todos sabem que existe. Acho que deveria haver uma fiscalização mais rigorosa nas compras de ouro ilegais, porque as que são legais são fiscalizadas. As ilegais pagam o preço do ouro mais caro porque não pagam impostos.

Na edição 205 do Jornal do Comércio, circulando