sexta-feira, outubro 16, 2015

A partidarização política dos eventos

A eleição do ano que vem projeta uma verdadeira batalha no sentido da disputa pelo voto do eleitor; uma prova disso é que apesar de ainda faltar quase um ano  para a data da eleição, qualquer pleito envolvendo a participação do eleitor, seja em votação para a presidência de bairro, associação comunitária ou conselho tutelar como aconteceu recentemente, isso logo é transportado para o plano político e comemorado nas redes sociais como se fosse uma vitória desse ou daquele pré-candidato ao governo municipal.
Essa clara partidarização política desses eventos dá bem a medida do quanto a disputa eleitoral de 2016 vai ser acirrada. O mesmo processo também ocorre com as manifestações populares; qualquer fato de maior repercussão que coloque em xeque a administração municipal, logo  passa a ser rotulado pelos governistas como um movimento de caráter político para criar desgaste a gestão municipal.
O bloqueio da estrada do BIS nesse momento pré-eleitoral é visto dessa forma pelo governo, mas quem mora numa rua empoeirada como a estrada do BIS, sabe que esse movimento nada mais é, do que um gesto de basta, um ato quase de desespero das pessoas em busca de providencias; mas, para a administração municipal o deflagrar desse protesto está cheio de motivação política.
Embora essa seja uma forma enviesada de encarar as manifestações populares, o governo não deixar de ter um pouco de razão, pois nesses momentos surgem oportunistas de todos os lados demonstrando preocupação com o problema. Só que antes não moveram uma palha no sentido de agilizar uma solução par o problema e evitar que a manifestação chegasse ao ponto que chegou.
Na política é dessa forma que a roda gira e, para o governo, essa manifestação dos índios foi como acender um estopim perto de um paiol, porque a maioria da população também quer ter a sua rua asfaltada e o desfecho desse caso pode ter um efeito cascata que viria exatamente num momento em que o governo esperava ter um pouco mais de tranquilidade para se preparar para a batalha das eleições do ano que vem. Outra vez a prefeita terá que conviver com mais um desgaste da sua imagem diante da opinião pública...
A sorte do governo é que com essa politização às avessas da população, qualquer gesto de afago vindo de quem está no poder é capaz de rapidamente mudar a cabeça do eleitor.  

Jornalista Weliton Lima, comentário do Focalizando, quinta-feira, 15/10/2015