sexta-feira, setembro 11, 2015

Obra de asfaltamento de Campo Verde pode demorar mais do que o previsto, porque construtora demitiu mais de 100 funcionários

A interdição terminou à meia de ontem (10) o movimento de protesto dos moradores do Distrito de Campo que interditou a BR-163.
Depois de uma negociação com agentes da PRF e o engenheiro  Cléo Marcelo diretor do escritório local do DNIT, ficou decidido que em no máximo, em uma semana  a construtora Sanches Tripoloni que é a empreiteira responsável pela pavimentação desse trecho da rodovia Transamazônica que vai de Campo Verde até Rurópolis vai iniciar o serviço.
O prazo para a conclusão é de quarenta e cinco dias. O problema é que o governo federal está atrasando o pagamento de todas as empreiteiras. A construtora Sanches Tripoloni, de acordo com o deputado federal Zé Geraldo, tinha um crédito de R$ 60 milhões, mas só recebeu R$ 20 milhões. Em função desse contingenciamento de recursos, o serviço no distrito de Campo Verde pode demorar mais do que o tempo previsto inicialmente para ser concluído.
Por outro lado, segundo o vereador João Paulo Meister, que também esteve participado das negociações representando a Câmara de Vereadores de Itaituba, a empreiteira vê nesse pedido do governo para adiantar esse trecho do serviço, uma possibilidade de usar toda essa mobilização política que foi feita para resolver esse problema e tentar essa mesma força política para apressar o pagamento em atraso. É aguardar pra vê se o acordo vai ser cumprido. 
Em virtude do atraso no pagamento por parte do governo federal, a Sanches Tripoloni boi obrigada a demitir funcionários. Até agora foram demitidos cerca de 120 trabalhadores, o que é motivo de preocupação quanto à agilidade do serviço de pavimentação na frente do distrito de Campo Verde, pois com menos gente, a tendência é de que os trabalhos andem mais devagar.

Com informações do jornalista Weliton Lima, especialmente para o blog