quinta-feira, setembro 10, 2015

Ganhos com os portos, uma realidade que não vemos

Tem circulado por esses dias nas redes sociais, comentários a respeito dos grandes benefícios que os portos graneleiros estão trazendo para a economia de Itaituba.

Há algumas informações verdadeiras, mas, há outras que não batem com a realidade que vivemos, como a geração de muitos empregos e um pretenso aumento da circulação de dinheiro no comércio local por conta desses investimentos.

É evidente que fica alguma coisa, principalmente durante o período de construção, mas, terminada a obra, poucos são os empregos gerados.

Quem desejar realmente conhecer as consequências do aumento enorme do fluxo de veículos pesados circulando pelas ruas do distrito de Miritituba, que dê uma volta por lá.

A ATAP se comprometeu com a comunidade, a evitar que as carretas circulasse dentro do distrito, mas, até agora isso não aconteceu, pois elas rodam livremente, causando diversos problemas.

As contrapartidas dos portos, via ATAP, para minorar os impactos causados pelos portos, até agora tem sido muito pequenas, com o agravante de que o ex-presidente Kleber Menezes, atual titular da SETRANS teria afirmado que ,se as contrapartidas são pequenas, a culpa é da administração de Itaituba, a atual e a passada, que não soube pedir.

Quiçá fosse tudo verdade a respeito do que apregoa quem não conhece a realidade dos fatos.

As maiores transportadoras estão montando pontos de apoio em Novo Progresso, o que representa um enorme prejuízo para Miritituba em termos de geração de empregos e renda, pois lá vai ter de tudo, de postos de abastecimento de combustíveis a oficinas.

Esses portos tem sido uma grande fonte de dinheiro, mesmo, para uma meia dúzia de empresários de Mato Grosso e de Itaituba, que especularam comprando terrenos baratos, para mais tarde repassá-los por somas estratosféricas. No mais, Itaituba só tem levado chumbo, pois graças à  incompetência dos nossos governantes, até o mapa do Pará está sendo mudado à revelia, com prejuízo para Itaituba, quando se considera Santarenzinho como parte de Rurópolis, coisa que nunca foi.

Claro que isso acontece com a conivência do governo do Estado, diante da fraqueza do governo de Itaituba.

Em suma, os portos estão chegando a galope, mas, os tão decantados benefícios para Itaituba estão vindo de tartaruga.