sexta-feira, setembro 04, 2015

À espera dos benefícios dos grandes empreendimentos de portos e hidrelétricas


Graças aos seus recursos naturais, o município de Itaituba está passando por um momento de transformação na sua economia.

O grande potencial hídrico do rio Tapajós começa a ser explorado para a geração de energia elétrica e também para a exportação dos grãos produzidos no centro oeste do País, mas tanto os portos quanto a futura construção da hidrelétrica, não trarão os benefícios que a população espera, se os nossos governantes não forem firmes nas negociações das compensações sociais e econômicas.

No caso dos portos, um deles já está em pleno funcionamento, Mas, para a população de Miritituba as mudanças até agora foram apenas  no cenário do trânsito que já está tumultuado com o vai e vem de carretas pelas ruas estreitas do Distrito e. Os moradores, é claro, estão reclamando. Isso, com apenas uma empresa que está em funcionamento; imaginem  quando todos os outros portos iniciarem suas atividades, o caos em que vão se transformar as ruas do distrito!  

Essa é somente uma amostra dos muitos problemas que virão com esse movimento em Miritituba. E os impostos gerados por esses serviços, mesmo que sendo uma quantia vultosa, não serão suficientes para resolver as demandas sociais que serão criadas a partir da intensificação dessa atividade.

Uma das saídas para minimizar os enormes impactos negativos sobre a população de Miritituba é o governo municipal reconhecer que foi inexperiente na condução desse processo e buscar o quanto antes o apoio governo do estado e dos deputados, para que esses empresários não se beneficiem do nosso território como corredor de exportação para suas riquezas sem que a população diretamente afetada possa usufruir minimamente dessa riqueza. E isso só será possível com a verticalização dos produtos, ou seja, com a implantação de fabricas que possam gerar empregos e distribuir renda.

Somente assim a soja que sai pelo porto de Miritituba vai ajudar a melhorar a economia do município e de toda a região. Afora isso, o município pode até melhorar alguns dos seus indicadores sociais, com uma maior arrecadação de impostos, mas a população vai continuar pobre e sem maiores perspectivas de conseguir empregos.


Weliton Lima, jornalista, comentário veiculado no telejornal Focalizando, quinta, 03/09/2015