quinta-feira, agosto 06, 2015

Discursos ásperos e desrespeitosos predominaram na sessão solene

Que o Poder Legislativo municipal representa muito mal os seus eleitores, isso não é novidade. Quem assiste a uma sessão da Câmara percebe que o nível dos debates em plenário é baixíssimo, salvo raras exceções.
A maioria dos vereadores quebra a formalidade exigida pelo regimento da casa a todo instante e a postura de alguns dos nossos parlamentares durante as sessões é incompatível para um membro do poder mais representativo do sistema democrático.
Todos esses predicados ruins, ainda foram superados durante a sessão solene na volta do recesso parlamentar. Teve vereador que perdeu complemente o senso da compostura e partiu para o ataque contra a convidada de honra para a cerimônia da casa.
Nunca antes numa sessão solene se viu criticas tão contundentes dirigidas ao chefe do executivo, e o discurso do vereador Orismar Gomes foi o mais agressivo e chamou a atenção de todos que estavam assistindo a sessão.
O tom áspero e desrespeitoso  causou constrangimento aos demais convidados que compunham a mesa, entre eles, o bispo da prelazia dom Vilmar Santin, com o dedo em riste em direção à prefeita.
O vereador parecia estar num palanque de campanha eleitoral ... E os ataques e defesas do governo estranhamente seguiram até o final da sessão sem nenhum gesto apaziguador da mesa.
A prefeita Eliene Nunes, ao ocupar a tribuna, também ignorou o caráter solene que a sessão deveria ter e manteve o tom do embate, chegando ao ponto de propor uma comparação de sua administração com o governo anterior. Eliene questionou também os seus opositores na Câmara sobre a contribuição deles para o desenvolvimento do município.
Em resumo, a sessão que deveria transcorrer numa atmosfera institucional, acabou em discursos inflamados de parte a parte e, com a aproximação da campanha eleitoral, a tendência é que cada átimo de tempo, as críticas irão se intensificar ainda mais, e isso é preocupante, porque as acusações passam a tomar o espaço que deveria ser ocupado pelo debate de propostas que possam criar as condições necessárias que o município precisa para receber os empreendimentos que estão chegando e que irão afetar diretamente a vida da população.
Lamentavelmente, o que vimos nesse retorno dos vereadores ao trabalho, foi mais uma demonstração de falta de preparo político e emocional  das nossas autoridades na condução do município rumo a esse novo momento de sua história.

Weliton Lima, jornalista, comentário do Focalizando, 06/08/2015