terça-feira, abril 24, 2018

Itaituba pode ser a Altamira de amanhã


 A violência que apavora os paraenses todos os dias, ressoou hoje na Câmara Municipal de Itaituba através do vereador Peninha, que destacou a situação caótica da segurança pública do Estado.

Ele lembrou que o secretário de segurança pública, Luiz Fernandes, disse há poucos dias, que a situação estava sob controle, quando deveria ter dito que a situação está totalmente fora de controle.

Em ano de eleição para um monte de cargos, de deputado estadual a presidente da República, os ataques contra o governo do Estado ficam mais fortes, pois isso faz parte do jogo político, sendo um prato cheio para minar a credibilidade de que está no comando. Isso é fato.

O governo defende-se como pode, mas, fica evidente o desconforto do governador Simão Jatene quando trata do assunto, pois não tem um projeto para enfrentar a situação que certamente vai dominar grande parte dos debates durante a campanha política que se aproxima.

Sem ter muito o que dizer, quem defende Jatene e seu governo, afirma que a violência é um problema nacional, e essa é uma verdade que todo brasileiro conhece. Entretanto, quem vive no Pará quer saber mesmo é o que o seu governo está fazendo para tentar dar uma resposta ao crescente número de homicídios que ocorrem, tanto na zona da capital, que inclui Belém e Ananindeua, cidades onde a violência tira o sossego das pessoas, quanto no interior do Estado, que é vítima do mesmo jeito.

Hoje Peninha citou a matéria de domingo passado, do Fantástico, que fez uma comparação entre os municípios de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina e Altamira, no Pará, que já tiveram o mesmo índice de homicídios por 100 mil habitantes.

Altamira foi destacada como a cidade mais violenta do Brasil.

E aí deve acender uma luz amarela de quem vive aqui neste município, porque Itaituba pode ser Altamira de amanhã, quando chegar, por que vai chegar o tempo em que a hidrelétrica de São Luiz vai sair do papel, e talvez isso não esteja muito longe.

Itaituba, antes do boom de Belo Monte, teve sempre um histórico de violência bem maior do que o de Altamira, sobretudo no auge da atividade garimpeira.

Este município tem uma fama que sua população espera que seja apagada, mas, que poderá voltar muito pior, pois uma grande obra como uma grande hidrelétrica como a de S. Luiz do Tapajós, atrai milhares de pessoas atrás de empregos que não se concretizam, e muita gente que vem, fica, mesmo sem condições.

Lembro de ter conversado com algumas pessoas que foram a Altamira no auge da badalação por conta da obra de Belo Monte. Elas voltaram eufóricas com o que tinham visto na cidade, que havia sido transformada em um canteiro de obras. E nesse meio havia gente do governo municipal da ex-prefeita Eliene Nunes, além de outras pessoas com formação superior, que demonstraram o mesmo entusiasmo.

As autoridades de Altamira, àquela altura, mostraram apenas a parte boa, exibiram números exuberantes da economia local, e deixaram qualquer tipo de problema longe da vista dos visitantes.

O tempo passou, a violência que já havia se instalado, aumentou vertiginosamente com o fim de um grande número de empregos temporários. E foi bem aí que a cortina que escondia uma gama de problemas se abriu.

Até que ponto aquela mega obra foi boa para Altamira? Por enquanto, o passivo social é muito maior do que os benefícios propalados.

Já disse outras vezes, mas, repito: em vez de lutar contra a implantação da hidrelétrica de S. Luiz, que virá, assim que o país precisar da energia que ela poderá gerar, devemos unir forças para ver como conseguiremos atenuar as suas consequências negativas e, nesse particular, a maior de todas, a violência.

Por fim, lembrar que, como disse o vereador Peninha, vivemos em um estado cuja população, e até a polícia, vive com medo. E ninguém, em sã consciência torce pelo quanto pior, melhor, pois somos todos reféns da falta de uma política de segurança pública adequada. Então, que o governo do Pará ache o caminho que não encontrou até agora para tornar a vida de todos nós mais segura.

Jota Parente

Segunda Turma retira de Moro acusações da Odebrecht contra Lula

Sergio Moro
A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) retirou do juiz federal Sergio Moro os termos das delações de executivos da empreiteira Odebrechtque acusam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de promover vantagens indevidas para a empreiteira.

Com isso, os depoimentos e documentos que os ex-executivos da empresa haviam fornecido vão ter que deixar os autos de processos que correm na Operação Lava Jato contra o petista, em especial o do sítio de Atibaia (SP) e o que trata de um terreno que seria a nova sede do Instituto Lula.

Os relatos, fotos e e-mails entregues pelos colaboradores da Odebrecht são algumas das evidências mais concretas dos fatos narrados pelo Ministério Público Federal (MPF) na denúncia apresentada contra o petista.

Os relatos, fotos e e-mails entregues pelos colaboradores da Odebrecht são algumas das evidências mais concretas dos fatos narrados pelo Ministério Público Federal (MPF) na denúncia apresentada contra o petista.

Por 3 votos a 2, os ministros Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski decidiram que as acusações não dizem respeito às investigações de desvios na Petrobras e, portanto, não devem continuar sob a tutela do juiz Sergio Moro.

As ações penais abertas sobre o tema no Paraná continuam até segunda ordem, mas ficarão esvaziadas se Moro não puder contar com os fatos relatados e os documentos apresentados pelos empresários Emílio e Marcelo Odebrecht e quatro ex-executivos da empresa.

Fonte: Veja

Chapadinha cobra curso de medicina para a região Oeste do Pará

O Deputado Francisco Chapadinha apresentou proposta ao Ministro da Educação solicitando que o Ministério autorize a implantação do Curso de Medicina na Universidade Federal do Oeste do Pará.

Segundo o Parlamentar, a UFOPA foi criada através do desmembramento da UFPA (Universidade Federal do Pará) e da UFRA (Universidade Federal da Amazônia), através da LEI 12.085/2009, com sede e foro no Município de Santarém/PA, e teve como principal missão produzir e socializar conhecimentos, contribuir para a cidadania, inovação e desenvolvimento das Regiões da Calha Norte, Transamazônica e BR-163, integrando os 27 Municípios.

Hoje a UFOPA abrange 58% do Território Paraense e a população presta Vestibular para o Curso de Medicina em Municípios que são muito distantes de suas residências, ocasionando elevados gastos em todas as etapas do processo seletivo, bem como aos estudantes que são aprovados, acarretando mais despesas uma vez que necessitam mudar completamente suas vidas para iniciar os estudos.

Conforme pesquisa recente divulgada pela Sociedade Paraense de Pediatria feita em todos os Municípios do Oeste do Pará, ficou constatado que existem apenas 17 Especialistas em Pediatria para atender 1,2 Milhão de habitantes naquela área.

“Essa Pesquisa dá uma ideia de como é importante capacitar médicos da própria Região, que conheçam a realidade da população e que possam oferecer tratamento digno à todos.

A implantação desse Curso é extremamente relevante, já que é público e notório a deficiência de Especialistas Médicos em todo o Estado do Pará, principalmente na região do Tapajós. Essa luta é de todos nós”, concluiu o Deputado Chapadinha.

O nó do funcionalismo público


Fonte inesgotável de ineficiência, corrupção e desperdício de dinheiro público, as empresas estatais ademais pagam salários muito superiores à média do mercado, mesmo entregando um serviço de má qualidade. Reportagem do Estado mostrou que as distribuidoras do sistema Eletrobrás, que contabilizaram prejuízo de R$ 4,2 bilhões em 2017, oferecem salários médios de R$ 11,7 mil, cerca de três vezes a média paga em empresas privadas.

São casos como esse que ilustram a urgência de uma reavaliação completa do papel do Estado, o que inclui discutir o tamanho e a remuneração do corpo de funcionários públicos e questionar a necessidade de constituir empresas estatais para atuar em setores nos quais a iniciativa privada é mais eficiente e produtiva. Fugir desse debate, por receio de enfrentar as poderosas corporações do serviço público, é contribuir para inviabilizar o funcionamento da máquina estatal, há muito tempo sufocada por seu desnecessário gigantismo e incapaz de se fazer presente onde é realmente necessária.

A captura do Estado por interesses alheios aos do cidadão que paga impostos resulta em situações como a da Amazonas Energia. Distribuidora da Eletrobrás que dá mais prejuízo, aquela empresa paga salário médio de R$ 15,5 mil, o maior do País no setor. Já a distribuidora de Roraima, embora seja a mais ineficiente de todas, oferece salário médio de R$ 15 mil.

Não é coincidência que as empresas mais problemáticas sejam as que pagam salários muito acima do verificado no mercado, totalmente fora da realidade – a remuneração média da Nanoenergia, concorrente da Amazonas Energia, por exemplo, é de R$ 4,3 mil. Basta uma rápida mirada nessa situação para perceber que a função primordial dessas estatais não é distribuir energia da forma mais barata e eficiente possível, e sim empregar e bem remunerar funcionários públicos.

Fica fácil entender, diante disso, a dificuldade que o governo está enfrentando para privatizar a Eletrobrás e suas distribuidoras. Os opositores da privatização invocam argumentos nacionalistas e dizem defender os direitos dos trabalhadores da estatal. Na realidade, trata-se da conhecida mobilização política e sindical para a manutenção de feudos privilegiados, controlados tanto pelo funcionalismo como por parlamentares que dali auferem lucros eleitoreiros, enquanto os cidadãos comuns são obrigados a financiar tais benesses em troca de serviços ruins e a enfrentar a crônica falta de recursos para as reais necessidades do País.

O diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino, já comunicou ao Congresso que a situação das distribuidoras é simplesmente insustentável. Essas empresas devoraram R$ 3,75 bilhões em dinheiro dos consumidores nos últimos dois anos, e a cada mês mais R$ 202 milhões são necessários. A privatização, portanto, é imperiosa e deverá acontecer, mais cedo ou mais tarde.

Em vista disso, a guilda dos funcionários públicos se mobiliza para arrancar mais algum benefício antes da privatização. São concessões que nenhuma empresa privada faria: os servidores querem estabilidade de cinco anos para 70% dos funcionários das distribuidoras, além da realocação dos servidores em outras estatais.

Esse caso serve como exemplo do divórcio litigioso entre o funcionalismo público e a realidade. E a realidade é que o Estado é incapaz de sustentar sua monumental estrutura, sendo seguidamente necessário recorrer a gambiarras para fechar as contas.

Quando o ministro do Planejamento, Esteves Colnago, informa que o governo pedirá ao Congresso para adiar, de 2019 para 2020, os reajustes salariais dos servidores federais, porque, do contrário, haverá paralisação da máquina pública, fica claro que se trata apenas de mais um paliativo desesperado. A essência do problema – a existência de uma categoria de brasileiros imunes às vicissitudes do mercado de trabalho e quase sempre dispensados de demonstrar eficiência e capacidade produtiva, embora muito bem remunerados – permanece intocada.


Editorial de O Estado de São Paulo (Estadão)

Violência sem fim no Pará: Sargento da PM e ex-guarda municipal são torturados e assassinados

Os corpos do sargento da Polícia Militar, Reginaldo Mecias da Silva, e do ex-guarda municipal de Marituba, Alexandre O. Nascimento, conhecido como “Xandy”, foram localizados nesta terça-feira (24). Eles foram torturadas e mortos com tiros.
De acordo com informações de familiares das vítimas, os dois costumavam trabalhar juntos como segurança particular e, na noite de segunda-feira (23), saíram para mais um dia de trabalho.  
Alexandre saiu de casa para buscar Reginaldo. Como ambos costumavam ligar para as esposas quando chegavam no local de trabalho e ontem não ligaram, elas estranharam. Ao tentar ligar para os telefones das vítimas, os mesmos davam como desligado.
Estranhando a falta de informação do sargento e do ex-guarda municipal, na manhã de hoje, familiares procuram o Instituto Médico Legal (IML) e reconheceram os corpos das vítimas. 
Os corpos foram localizados na madrugada de hoje na rua da Cerâmica, município de Marituba, Região Metropolitana de Belém, porém, apenas na tarde de hoje foram reconhecidos por familiares. 
(DOL com informações de Denilson D´Almeida/Diário do Pará)

Vinte anos depois, Azeredo pode ser preso pelo mensalão tucano


PSDB enfrenta os piores dias de sua história. Depois da acachapante derrota do senador Aécio Neves (PSDB-MG) no Supremo Tribunal Federal, ao tornar-se réu por corrupção passiva e obstrução de Justiça na semana passada, chegou a vez de outro destacado político da legenda passar pelo calvário.
O ex-governador mineiro Eduardo Azeredo (PSDB) terá os recursos finais do mensalão tucano julgados pelo Tribunal de Justiça (TJ) de Minas Gerais nesta terça-feira.
É um episódio clássico da lentidão do judiciário em julgar políticos no Brasil. Azeredo foi condenado por peculato e lavagem de dinheiro por desviar verbas de estatais do governo para sua campanha à reeleição em 1998 — há 20 anos.
A denúncia contra o ex-governador foi apresentada em 2007 e a sentença em primeira instância saiu apenas em 2015. Em agosto do ano passado, o TJ de Minas fixou a condenação em 20 anos e um mês de prisão.
Azeredo ganhou tempo pois teve direito aos embargos infringentes, quando há discordância no tribunal colegiado à respeito da condenação.
Finalmente, se os embargos finais forem rejeitados nesta terça, o tucano pode iniciar o cumprimento de pena ainda nesta semana.
Não é demais lembrar, porém, que a detenção só pode acontecer por conta do entendimento do Supremo Tribunal Federal que permite a prisão em segunda instância. Não fosse assim, ainda caberia apelação aos tribunais superiores de Brasília e Azeredo seguiria livre, com alto risco de prescrição.
O caso destoa da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que está preso há duas semanas, apenas nove meses depois da condenação em primeiro grau. Ainda assim, a provável prisão do tucano ajuda a afastar o que se chamava no PT de perseguição contra um único partido.
Para o país, o cerco à corrupção terá cumprido seu papel, mesmo, quando o Supremo Tribunal Federal enfim começar a condenar políticos por crimes na Lava-Jato. Até agora, em quatro anos, ninguém foi preso. O relógio segue avançando.
Fonte: Revista Exame

Tem gente querendo barrar Maria Pretinha na disputa por uma vaga na ALEPA


            A pré-candidatura da vereadora Maria Pretinha a deputada estadual foi um dos princípios assuntos de hoje na Câmara.
            Tem gente colocando gosto ruim em sua intenção de sair candidata, embora as figuras de proa do partido digam amém.
            O primeiro a falar foi o vereador Peninha (PMDB), que enalteceu a coragem da vereadora de se lançar candidata, dizendo que se tem gente contra é porque seu nome incomoda. Ele falou para ir seguir em frente com seu projeto.
            O vereador Wescley Tomaz, também vereador (PSC), reportou-se à pré-candidatura de sua colega de parlamento, dizendo que ela não deve intimidar-se com as pressões, pois isso acontece sempre, especialmente de parte de quem está preocupado com sua futura candidatura.
            Outro que tratou do assunto foi o vereador Davi Salomão (PTC), seguindo pela mesma linha dos seus antecessores na tribuna, ressaltando que Maria tem cinco mandatos conquistados com muito trabalho.
            A vereadora Maria Pretinha esteve em Belém semana passada, em companhia do vereador Manuel Dentista, onde se encontrou com as principais lideranças estaduais do PSDB, incluindo o senador Flexa Ribeiro, presidente do partido no Estado, o chefe da Casa Civil, José Megale e o deputado estadual Celso Sabino.
            Um candidato a deputado estadual de outro partido, cujo nome, nem o partido a vereadora revela agora, está pressionando o diretório do PSDB estadual para que ela não seja candidata, mas, todo o partido dela quer.
            Embora ela não confirme, comentou com que é um candidato que afirma que ela tirará votos dele se disputar a eleição para a ALEPA. Por isso, o que ficou nas entrelinhas é que se trata de um dos candidatos com domicílio eleitoral em Itaituba.
            Maria disse para a reportagem, que por hora não vai falar nada, mas, se sua candidatura vier a ser barrada, vai botar a boca no trombone e dar nome a quem articulou, embora, creia que isso não vai acontecer, pelo apoio maciço que tem da cúpula de seu partido.

segunda-feira, abril 23, 2018

Publicação de Edital


Brasileiros lutam por vaga na seleção da Rússia e título local

O Globo - Diz o ditado que é melhor um pássaro na mão do que dois voando. No país da Copa do Mundo, dois brasileiros perseguem objetivos que estão intimamente ligados — e parecem querer escapar de última hora. O goleiro Guilherme Marinato e o atacante Ari, ambos do Lokomotiv de Moscou, lutam por um título do Campeonato Russo que o time não conquista há 14 anos. No domingo, o Lokomotiv ficou no 0 a 0 com o Ufa, no seu segundo empate seguido em casa. Além de sonho da fanática torcida do “Loko”, uma das maiores da Rússia, o brilho da taça é importante para as pretensões dos brasileiros na seleção anfitriã do Mundial.
Guilherme, de 32 anos, é naturalizado desde 2015. Ari, também de 32, espera ansiosamente pelo seu passaporte russo, que deve sair até o fim do mês. Entrevistas recentes do técnico da seleção russa, Stanislav Cherchesov, indicaram que os brasileiros têm chances de disputar a Copa de 2018 pelo país daqui a menos de dois meses. Para isso, o desempenho no clube é impulso fundamental. Restam mais três partidas nesta temporada para o Lokomotiv agarrar o título — e para Guilherme e Ari agarrarem a vaga na convocação final de Cherchesov. O tropeço, no domingo, pode reduzir a vantagem no topo para quatro pontos, caso o Spartak vença o Grozny nesta segunda.
Na dupla do Lokomotiv, apenas Guilherme já foi testado na seleção russa. O goleiro atuou em dois amistosos em 2016, contra Lituânia e República Tcheca, entrando no intervalo em ambos — ainda sob o comando de Leonid Slutsky, treinador que deixou a seleção após o fiasco na Eurocopa daquele ano. Cherchesov, que assumiu em seguida, levou Guilherme para amistosos e também para a Copa das Confederações de 2017. Desde então, o goleiro não voltou a aparecer nem no banco pela Rússia. Nesse meio-tempo, ainda ficou fora de ação pelo Lokomotiv em dois momentos da temporada por problemas musculares.

Policiais militares ameaçam cruzar os braços contra a morte de colegas

Policiais militares ameaçam cruzar os braços contra a morte de colegas (Foto: Mauro Ângelo/Diário do Pará)Depois do atentado aos policiais militares no bairro Sideral, na noite de sábado (21), a categoria avalia a possibilidade de protestar em forma de aquartelamento, ou seja, quando todos os militares ficam no quartel, sem sair às ruas. A medida extrema é considerada para chamar a atenção do Governo do Pará para as péssimas condições de trabalho da PM e os altos índices de ataques a PMs no estado. 

“Chegamos no limite. Em menos de quatro meses já atingimos aproximadamente metade do total de policiais militares assassinados no ano passado e o Governo não quer dialogar”, afirma o coordenador geral daAssociação em Defesa dos Militares do Pará (Admipa), Luiz Passinho. Em nota, a Admipa informa como funciona o aquartelamento: “em um dia qualquer – ou um conjunto de dias – Policiais de todas as Graduações ficam no quartel, sem sair às ruas. Ninguém sai, mas ninguém pode ser punido, porque todos estão em seu local de trabalho”. 

DISCUSSÃO 

A mensagem explica que os policiais militares não são autorizados a fazer greve, como outros profissionais, então essa seria a única forma de reivindicar os direitos. Passinho aponta que o Estado há muitos anos vem travando uma “guerra com os policiais militares, ao invés de dar auxílio aos profissionais”. 

Dentre os principais problemas, estão o baixo efetivo, a falta de reajuste salarial e de equipamentos e o sucateamento das delegacias e unidades policiais. “A gente não pode mais ter vida. Nossos colegas estão sendo assassinados a todo momento, seja em frente de casa ou durante o trabalho, por exemplo, e o Governo até agora apresentou poucas propostas e apenas paliativas, como o reajuste do auxílio-alimentação,semconsiderar que o problema é mais complexo”,enfatiza. 

Segundo o coordenador geral da Admipa, a possibilidade do aquartelamento ainda não é decisiva, apenas levantada como uma opção e ainda será discutida amplamente com a categoria.

Mão única sendo aplicada na Treze de Maio

Até o final da manhã de hoje, a Comtri estava orientando condutores para que observasse o sentido de mão única que já está valendo, também para a travessa Treze de Maio.

Um veículo da Coordenação Municipal de Trânsito ocupava uma das pista, após o semáforo que fica na esquina da referida via, com a 18ª rua, próximo da escola Marechal Rondon.

Enquanto estava lá um agente e o carro, tudo funcionou às mil maravilhas.

Os carros estacionados estava todos no sentido da mão única.

Espera-se que os condutores respeitem a mudança, para o bem de todos.

Climafrio oficializa ausência na Copa Ouro 2018


A equipe de futsal da Climafrio oficializou sua decisão de não disputar a Copa Ouro de Futsal Masculino deste ano, por meio de documento assinado pelo presidente Daniel Oliveira e pelo diretor de esportes, Gabriel Oliveira.

No ofício são listados os motivos da decisão.











Os dois primeiros já eram do conhecimento público, mas, o terceiro ponto chama atenção pela contundência e clareza das colocações.

"Ginásio Poliesportivo: Todos tem ciência e conhecimento de causa que o nosso maior patrimônio do esporte (ginásio) não tem condições para praticar o futsal. Por quê? O piso em que é praticado está espocando, tem goteiras, e os banheiros exalam mau cheiro a todo instante, mas, isso, se o gestor municipal quiser, resolve dentro de um mês", diz a terceira observação.

Vale lembrar, que por ocasião da decisão da Copa Ouro Feminina, a rodada atrasou uma hora e meia, por conta de um pedaço de taco que havia soltado.

Como a Conjucel não conseguiu consertar o problema, foi necessário a coordenação fazer um remendo para que os jogos pudessem ser realizado.

domingo, abril 22, 2018

Recurso à Justiça deve retardar melhora da internet na região


Resultado de imagem para foto de logo da slimnet            Quando surge um fio de esperança de solução para o problema de internet na região oeste do Pará, o leilão no qual a maioria dos provedores da área adquiriu mais link vai parar na Justiça.
            Um provedor de Altamira e o provedor BR, esse último com representação em diversas cidades brasileiras, entraram na Justiça pedindo o cancelamento do leilão realizado em Brasília há duas semanas.
            O provedor de Altamira não foi até a capital federal e pediu anulação por conta da péssima qualidade da internet que não lhe permitiu participar online.
            Já o provedor BR recusou-se a participar, alegando que o valor do mega cobrado pela Eletronorte estava muito caro.
            Os provedores que compraram link precisam enviar uma documentação para finalizar o processo. Por esse motivo, sexta-feira (20), Josué Castro, do Slimnet, de Itaituba, ligou para a Eletronorte querendo sabendo quando a documentação tem que ser mandada.
            A empresa estatal respondeu que é para esperar, pois, todos serão comunicados por e-mail, quando chegar a hora de mandar.
            Ocorre que isso já deveria estar caminhando, e o prazo dado, de 30 a 45 dias para a melhoria da internet acontecer, provavelmente, já está prejudicado por esses recursos à Justiça, e aí, resta a quem precisa desse serviço, que hoje já se considera essencial para todos, torcer para que não se prolongue indefinidamente.

Ex-policiais militares são baleados enquanto jogavam bola. Enquanto isso, Jatene culpa os outros

Quatro policiais estavam jogando bola no Campo do Chuveirinho, na invasão do Ariri Bolonha, Conjunto Sideral, bairro Parque Verde, em Belém, hoje por volta das 17h30, quando chegaram dois homens em uma moto e atiraram neles. 

O  Cabo João Rômulo levou dois tiros no abdômen e o Sargento Elias Brasil um tiro na face. Ambos são da reserva da PM e foram submetidos a cirurgia, no Hospital Metropolitano. Há uma vítima fatal, que não é policial, ainda não identificada. 

Conforme relato de uma testemunha, a moto estancou e os executores deram tiros para o alto, a fim de impedir que alguém se aproximasse até que conseguissem fugir.

Fonte: blog da Francinete Florenzano
-------------------------------------------------
Comentário do blog: Enquanto isso, o governador Simão Jatene grava vídeo com conversa fiada e cuida de botar a culpa nos outros pela violência que seu governo é incapaz de combater.

São Raimundo estreia hoje na série D

Jogando em casa, o São Raimundo de Santarém estreia hoje no campeonato brasileiro da Série D, equivalente a quarta divisão do futebol nacional.

Primeiro campeão da Série D, o pantera entra em campo às quatro da tarde no Barbalhão, para tentar repetir o feito. 

O adversário é o Ariquemes de Rondônia.

O São Raimundo fez diversas trocas em seu elenco em relação ao campeonato paraense recém encerrado. 

Soldado norte-coreano desertor relata discriminação vivida na Coreia do Sul

SEUL — Quando o soldado da elite norte-coreana Joo Seung-hyeon enfrentou a Zona Desmilitarizada, escapando de minas e das torres de vigilância para cruzar a fronteira com a Coreia do Sul, em 2002, imaginava uma vida próspera no capitalismo do país vizinho, mas a realidade se mostrou mais complicada. Discriminado pelos sulistas, que, segundo Joo, veem os primos do norte como “bárbaros, pobres e incivilizados”, o ex-militar foi dispensado de incontáveis entrevistas assim que revelava seu sotaque. No emprego que conseguiu num restaurante, recebia metade do salário dos outros funcionários.

Mesmo com as dificuldades, Joo perseverou, eliminando seu sotaque repetindo programas de rádio. Em seu tempo livre, se formou como Cientista Político e emendou com um doutorado em Estudos da Unificação, o primeiro no campo a ser concedido a um desertor norte-coreano. Mesmo com qualificação, e a experiência de ter vivido a maior parte da vida sob o regime comunista do Norte, Joo enfrentou dificuldades para encontrar uma vaga como pesquisador ou professor em universidades e resolveu contar em livro os desafios enfrentados pelos desertores norte-coreanos no país vizinho.

Entre as histórias que relata em seu livro, incluiu a de um colega que cometeu suicídio após sofrer para conseguir um diploma universitário e, mesmo assim, não conseguir um emprego. Para Joo, os desertores são vistos pelo sulistas como “intocáveis”, como conta a história de outro norte-coreano que decidiu deixar o país após pais de alunos da escola onde seu filho estudava protestarem publicamente contra a presença dele.
Desde 2000, apenas nove soldados norte-coreanos fugiram para o sul, e Joo é um deles. O último se tornou notícia internacional ao conseguir escapar em novembro do ano passado, sob tiros disparados por soldados da Coreia do Norte. Dois estão presos por uso de drogas e tentativa de assassinato, um se tornou alcoólatra e morreu de câncer no fígado, outro ficou paralítico após ser atropelado enquanto distribuía panfletos. Um deixou o país.
— Muitos dos soldados dizem se arrepender de terem vindo para o Sul — disse Joo, à AFP.

O ‘INFERNO’ DA REALIDADE SUL-COREANA
Um relatório do governo sul-coreano mostra que quase um quatro dos desertores norte-coreanos já pensaram ao menos uma vez em retornar para o norte. Alguns o fazem: nos últimos anos ao menos 20 desertores apareceram na imprensa norte-coreana, às lágrima, contando seus dias no “inferno” da Coreia do Sul, onde eram tratados como cidadãos de segunda classe.

— Eu nunca concordei que a sociedade da Coreia do Sul é um inferno — comentou Joo. — Mas cortou meu coração ver aqueles que arriscaram suas vidas para virem ao sul se matando ou emigrando para outro país por causa da discriminação social e o estigma.
E a questão se torna um vislumbre do futuro em caso de a Península Coreana realmente se unificar.

— Os norte-coreanos são um povo muito orgulhoso que nunca irá tolerar esse desdém com seu orgulho nacional e pessoal.

AFP

Professor assassinado foi vítima da polícia que 'mais mata e mais morre', diz sindicato

O Sindicato das Trabalhadoras e Trabalhadores em Educação do Pará (Sintepp) vai protocolar, na Corregedoria da Polícia Militar, no início desta semana, uma solicitação para apurar o assassinato do professor Wilson Pires. Ele foi executado por policiais militares, na última sexta-feira (20), após uma abordagem policial "irresponsável", no município de São Miguel.
Em nota, o Sintepp lamentou a morte da vítima. "Wilson se tormou vítima da Polícia Militar Brasileira, a que mais mata, e a que mais morre. Num Estado que a cada dia casos de violência avançam, a PM tirou a vida de um cidadão comprovadamente de boa índole".
O sindicato pede ao Governo uma apuração rigorosa do crime, além da solicitar a responsabilização e punição do governador Simão Jatene e de todos os agentes públicos envolvidos no assassinato do professor. "A Polícia agiu de forma imprudente. As motos utilizadas na abordagem, por exemplo, não estavam marcadas e não foi possível identificar que era a PM", disse Beto Andrade, coordenador do Sintepp. "Precisamos de uma resposta clara sobre o que ocorreu. Queremos uma apuração dos fatos", concluiu.
Segundo o Sintepp, o corpo do professor será enterrado neste domingo (22), em Belém.
"No Estado onde o governo largou a própria sorte a população, que cotidianamente morre ou se mata entre si, e a segurança pública está em total desalinho, o governador Simão Jatene gira dentro e fora de nosso território, cantando e tocando, como se houvesse paz e ordem. Encaixotando nossos sonhos, assassinando nosso desenvolvimento e colocando-se alheio a sua responsabilidade com a segurança pública e social", acrescenta a nota do Sintepp.
(DOL)

As oito mentiras de Jatene sobre segurança pública

As oito mentiras de Jatene sobre segurança pública (Foto: Sidney Oliveira/Agência Pará)Uma verdade: a população do Pará há muito vem sendo massacrada pela violência que impera em cada canto do Estado. Difícil encontrar alguém que não tenha sido vítima ou não conheça quem tenha virado personagem de uma história violenta. O que o governador Simão Jatene faz para combater isso? Conta mentiras, uma atrás da outra! Em um vídeo divulgado no seu Facebook no último sábado, 14, em vez de assumir sua incapacidade de lidar com a questão da violência social, Jatene resolveu achar culpados para sua administração equivocada em diversos aspectos, inclusive na área da Segurança Pública. Jatene chamou seus assessores da área de segurança e criou um discurso para “matar” de inveja Pinóquio, famoso personagem de conto infantil sobre falsidades. Conheça abaixo as mentiras contadas por Jatene em seu vídeo e entenda por que o Pará é um dos Estados mais violentos do Brasil.

1 - "Fazemos parceria"
Querendo se fazer de peremptório, mas sem convencer ninguém, Jatene mente no seu vídeo ao dizer que há algum tempo os órgãos de segurança do Pará operam em conjunto com órgãos federais. Todos no Pará - do bebê ao idoso – sabem que quando a questão é segurança pública, Jatene se fechou em copas e não ouviu ninguém, muito menos aceitou ajuda federal nas inúmeras vezes em que esta foi oferecida.
2 - "Centro de Inteligência contra o Crime"
Sem ter o que propor e colocar na mesa aos paraenses, Jatene comete outra inverdade e cita no vídeo um tal de “Centro Estadual Integrado de Inteligência”. A ideia não chega a ser nem para inglês ver, pois não existe ainda nem no papel, apenas na cabeça do governador.
3 - "É um problema nacional e do Governo Federal"
No vídeo, Jatene tenta desviar o foco do problema local da violência e mais uma vez falta com a verdade quando culpa o Governo Federal pela carnificina que toma conta do Estado, seja nos grandes centros urbanos ou no campo. Seus assessores na área de Segurança e o próprio governador sabem bem que a completa falta de programas e políticas públicas nas áreas de Educação, Saúde, Emprego e Renda nos últimos oito anos, por parte do governo do Estado, é que levaram a violência ao patamar que se encontra: quase sem saída.
4 - "A culpa é da oposição"
Jatene alega sem pudor no seu vídeo que tudo o que acontece de errado na área de Segurança tem conotação política e que as denúncias sobre sua capacidade gerencial é uma “manobra oportunista” de seus opositores políticos. Neste trecho do vídeo, fica claro que o governador esconde a realidade. Quem reclama e denuncia é a população paraense, vítima mais frágil do descontrole das verbas públicas, que minguaram nos últimos anos quando o assunto era segurança, mas que brotaram fácil nas inúmeras secretarias “extraordinárias” criadas para agradar o ego e o bolso da filha Izabela Jatene.
5 - "É culpa da crise"
Nem mesmo a sua claque de DAS, que o acompanha em suas cantorias pelo Pará, aguenta mais ouvir de Jatene que a crise é culpada por tudo que acontece no Estado. Mais uma vez, em seu vídeo, Jatene se refere ao tema. Diz que fez isso e aquilo e que vai colocar 3 mil policiais “com equipamentos e com pistolas” nas ruas. O que ele não diz é que estes 3 mil policiais praticamente não vão aumentar o efetivo, pois vão ocupar as vagas dos que estão se aposentando; dos que morreram (que não são poucos); e dos afastados permanentemente por questões de saúde. O Pará vai continuar tendo uma média baixa, de um policial para cada 500 habitantes, uma das piores do Brasil. Vale lembrar aqui, novamente, que no mundo mágico que Simão criou, tudo é perfeito, até mesmo quando as viaturas saem para rua caindo aos pedaços e com pouca gasolina, o que impede o patrulhamento ostensivo. Esta situação já vem sendo investigada pelo Ministério Público Militar, como todos sabem. É bom ressaltar, também, que apesar da boa vontade e esforço de todos os agentes de segurança do Pará, que se dedicam realmente em suas missões em prol da sociedade, o Governo do Estado relegou a categoria a segundo plano, sem oferecer a estes as mínimas condições de trabalho e respeito funcional.
6 - "Sistema Penitenciário é perfeito"
Simão Jatene diz em seu vídeo ter criado, “apesar da crise” (de novo), 3 mil vagas no Sistema Penitenciário do Pará e que isto é um avanço. Um avanço sobre a inteligência da população, que viu estarrecida uma tentativa de fuga que acabou em 22 mortes de uma só tacada. Simão Jatene sabe muito bem que o Sistema Penitenciário do Pará é um caos e controlado hoje por facções criminosas, que ditam as regras, oprimem e corrompem agentes. Nos presídios do Pará, na administração Jatene, entrou tudo que se pode imaginar: de adolescentes prostituídas a drogas, armas e munição.
7 - "Tudo é pirotecnia política"
No pensamento fragilizado de Jatene e seus assessores, o Pará hoje vive a mil maravilhas, pois todas as chacinas e a média de 14 assassinatos por dia só nos primeiros 4 meses de 2018 é “manipulação e pirotecnia política” para desestabilizar sua administração, que claudica faz tempo. Talvez esta seja a pior das invenções elencadas aqui, pois o que falta mesmo é atenção política devida para saber que tudo o que Jatene fez até hoje na área da segurança não rendeu resultado efetivo para população paraense, que continua apavorada, sobressaltada e assaltada diariamente. Nos 3 minutos que dura o vídeo no Facebook, Simão Jatene contou 8 mentiras. Sabe por que ele fez isso? Porque como pescador que é, sabe que sete seria conta de mentiroso.
8 - "A culpa é da imprensa"

Culpar a imprensa - mas especificamente o Grupo RBA de Comunicação - por seu fracasso administrativo talvez seja a maior das mentiras de Simão Jatene. Incapaz de lidar com estatísticas que sua Secretaria de Segurança esconde a sete chaves, ele não tem coragem de assumir que nos últimos oito anos de sua administração mais de 10 mil mortes violentas foram registradas, sendo que 80% destas nunca serão solucionadas. A imprensa, como se sabe, apenas mostra a dura e sanguinolenta realidade que a falta de políticas públicas infligiu a cada cidadão paraense.
Diário do Pará

sábado, abril 21, 2018

Esposas de policiais militares protestam contra a falta de segurança e cobram Jatene

Com uma série de questionamentos voltados ao Governo do Estado e seu serviço de segurança pública, esposas e familiares de policiais civis, militares e agentes prisionais protestaram, durante toda a manhã de ontem, em frente à sede do Comando Geral da Polícia Militar, na avenida Augusto Montenegro, em Belém.
Enquanto as mulheres clamavam por respostas frente os assassinatos de 24 agentes da segurança pública apenas em 2018, uma cerimônia de comemoração ao Dia de Tiradentes – considerado patrono das Polícias Militares do Brasil – era realizada no interior do Comando, com a presença do governador do Estado, Simão Jatene, e do Secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Luiz Fernandes, dentre outras autoridades.
Com cruzes pretas marcadas com os nomes de parte dos agentes de segurança assassinados em 2018, os familiares cobraram respostas para a situação de violência que coloca em risco, além da própria população, a vida dos que atuam em prol da segurança pública.
Em cartazes e faixas, as esposas e mães questionavam, dentre outras coisas, o que se tem a celebrar num momento como este, em que o número de policiais mortos aumenta a cada dia. “O que nós temos a comemorar hoje, Governador?”, perguntavam.
Esposa de policial militar, Carla Saldanha cobrou empenho do Estado. “Estamos protestando para que o governador tenha competência de fazer política pública em prol da segurança. Se ele não tem competência para isso, que peça para sair”.
A todo o momento, durante a manifestação que se prolongou desde as 9h até depois das 12h, as esposas pontuavam que a luta não era em prol apenas dos policiais, mas também da população que sofre cotidianamente com a violência. Durante as manifestações ao microfone, muitas delas também questionavam a declaração recente feita pelo secretário de Segurança Pública, Luiz Fernandes, em que ele dizia se sentir seguro vivendo em Belém.
Mãe de dois policiais militares, Josiane Madeira se mostrou indignada com a situação atual da segurança. “Por dez anos eu vendi água no sinal para realizar o sonho dos meus filhos de servir a essa corporação e hoje é uma vergonha o que está acontecendo no Pará”, relacionou. “A população não pode sequer sair na rua ou pegar um ônibus porque não sabe se vai voltar com vida. Como o secretário diz que está tudo ‘ok’ com a segurança?”, disparou, revoltada.
Já a esposa de policial militar Lorena Souza lembrou até o momento as famílias ainda não receberam uma resposta concreta do Governo sobre as recentes mortes de agentes de segurança pública. “Não temos resposta sobre como vão coibir essa criminalidade”, reforçou. “Hoje o policial militar recebe uma arma e um colete e isso acaba virando alvo de cobiça dos bandidos”, completou.
(Cintia Magno/Diário do Pará)

A importância do Programa Líder, do Sebrae


O Programa Líder, que está sendo lançado pelo Sebrae aqui no Polo Tapajós é uma ferramenta voltada para o desenvolvimento local e microrregional.

Até agora, em todas as regiões onde programa já foi implantado, tem obtido bons resultados, e num cenário onde geralmente os municípios competem entre si para atrair os investimentos, o Programa Líder surge como um instrumento de transformação, pois a sua metodologia propõe uma mudança de mentalidade na qual o individualismo seja substituído pela parceria e pela junção de forças de todas as lideranças em prol do desenvolvimento regional.

Esse ponto parece ser o grande desafio do programa, fazer com que todas as lideranças da região atuem de forma colaborativa para o sucesso do projeto. 

Outro aspecto relevante é o papel que os gestores dos municípios envolvidos nesse programa precisam assumir, que é o de criar um ambiente favorável para o desenvolvimento dos empreendimentos que sejam comuns à região, estabelecendo, assim, uma correlação entre o setor de negócios, os interesses das comunidades e os governos municipais.

Esses fatores são primordiais para aplicação das metodologias previstas para a prosperidade do programa e consequentemente o desenvolvimento da região.    

Jornalista Weliton Lima, comentário do Focalizando, quinta-feira, 19/04/2018

Paysandu repete começo de Série B de 2017

Papão vence o Londrina e segue 100% na Série B (Foto: Fernando Torres/Paysandu)Melhor começo, impossível para a torcida do Paysandu, que começou vencendo os seus dois primeiros jogos pela série B do campeonato brasileiro.

Na estreia o Papão detonou a Ponte Preta, em Campinas, por 1x0.

Ontem, em casa, repetiu o placar contra o Londrina, em um jogo que ficou paralisado por 30 minutos no primeiro tempo, por conta de uma queda de energia elétrica na área do estádio da Curuzu.

Mike marcou o único gol da vitória bicolor.

O Paysandu está empatado com o Fortaleza, ambos com seis pontos ganhos, sendo que o tricolor cearense tem um gol a mais no saldo de gols.

Apesar do belo começo de campeonato brasileiro, a torcida não esquece do que aconteceu ano passado, quando o Papão também teve um ótimo início, despencando depois, brigando para não cair na última parte do certame.

sexta-feira, abril 20, 2018

O assunto é Este deste sábado recebe...

Hélio Rezende, piloto da Omam Airways, sultanato do mundo árabe, vai estar no programa O ASSUNTO É ESTE, neste sábado, 21 de abril para falar da experiência de um itaitubense voando pelos céus da Ásia.

Hélio é filho do comandante Léo Rezende, que opera na aviação regional desde 1980, o qual também estará no estúdio da Alternativa FM a partir de 10 horas da manhã.

Trânsito: mudança começa pela João Pessoa

O diretor da Contri, José Arimatéia (Aguiarzinho), há pouco ao blog, que a adoção de mão única progressivo.

A primeira travessa pela qual o trabalho está começando é a João Pessoa, que das quatro a serem trabalhadas é a mais crítica, por ser a mais estreita e com grande fluxo de veículos.

A Contri não dispõe de estrutura para fazer a mudança de todas ao mesmo tempo.

Se faz necessária a presença de agentes do órgão municipal de trânsito para orientar os condutores no período de adaptação, para posteriormente passar a fazer valer a lei, punindo os que não obedecerem à mudança.

Publicação de Edital

Souza Lima - Eireli - EPP (Shopping do Estudante), CNPJ: 23.815.235/0001-37, localizado na Av. Hugo de Mendonça, 575, Centro, Itaituba, Pará, torna público que recebeu da Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SEMMA, Licença de Operação número 076/2018. Processo: 0082/2018.

Peninha: “Carretas causam transtorno nas ruas de Itaituba”

Vereador denuncia que Avenida Getúlio Vargas fica congestionada com enorme fila de carretas

O vereador Peninha bem que já havia denunciado que as carretas que transportam farelo de grãos para o porto da Caramuru, no Km 28, iriam congestionar o trânsito em Itaituba. Na terça-feira (17), Peninha voltou a falar sobre o assunto no plenário da Câmara de Itaituba. Disse que com o funcionamento do porto da Caramuru, na rodovia Transamazônica, trecho Itaituba-Jacareacanga, o farelo produzido em Sorriso (Mato Grosso) é transportado em carretas, que atravessam de balsa de Miritituba à sede do município de Itaituba e em seguida as carretas passam por dentro da cidade rumo ao porto.

“Acontece, que este movimento de carretas tem congestionado o trânsito na cidade, tanto quando as carretas chegam a Itaituba, como quando estão retornando. Enorme fila se forma na Avenida Getúlio Vargas, o que atrapalha tanto o embarque na balsa como o trânsito na referida avenida”, disse Peninha.

O vereador Peninha, quando se pronunciou sobre o assunto, sugeriu, primeiro a construção de um novo porto entre a sede da AABB e o Quartel do 51º BIS. Ali seria feito o desembarque e embarque dos carros pesados, que seguiriam para usar a rodovia Transamazônica. Outra sugestão apresentada pelo Edil, foi para que uma balsa fizesse a travessia, Miritituba até o porto da Caramuru, transportando as carretas. Isto evitaria o congestionamento e transtorno no trânsito da cidade, como estamos vendo hoje.

“Este assunto, temos de discutir e encontrarmos uma solução. Ou vamos esperar um acidente para para tomarmos providências? Por isto, solicitamos uma audiência com a empresa Caramuru, representante da Rondonave e COMTRI, para discutirmos o assunto”, finalizou Peninha.

Fonte: RG 15/O Impacto

Publicação de Edital

Moraes e Pereira Comércio e Serviços Ltda., (Tapajós Comércio e Serviços), CNPJ: 04.509.325/0001-55, localizado na Av. São José, 873, bairro Bela Vista, Itaituba, Pará, torna público que recebeu da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Licença de Operação (LO) número 085/2018. Processo: 0158/2018.

quarta-feira, abril 18, 2018

Margarete Soares será candidata a deputada estadual

O ex-prefeito Roselito Soares está mesmo decidido a voltar a aprofundar suas raízes em Itaituba.

Seu mais recente lance político é o lançamento do nome de sua esposa Margarete Soares para disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa.

Nos últimos dias Roselito consultou algumas pessoas de seu grupo político a respeito da viabilidade dessa decisão.

Hoje Margarete Soares é pré-candidata a deputada estadual.

Essa decisão já foi comunicada pelo próprio ex-prefeito a Hélder Barbalho e a Valmir Clímaco.

Com Margarete no páreo, agora sobe para seis o número de postulantes ao cargo de deputado estaduais.

Os candidatos puro sangue (com domicílio eleitoral em Itaituba) são: Hilton Aguilar, vereador Wesley Tomaz, vereadora Maria Pretinha, Investigador Sena, e agora, Margarete Soares.

Tem ainda Eraldo Pimenta, que embora tenha Uruará como seu domicílio eleitoral, tem um pé fincado em itaituba.

E não se deve esquecer que candidatos de todos os lados virão tirar uma casquinha.

Tomara que não se repita o que aconteceu em Santarém, que mesmo com quase três vezes o número de eleitores de Itaituba, ficou sem representante na ALEPA na eleição passada por excesso de candidatos.

Jota Parente

terça-feira, abril 17, 2018

Abertura da Copa Ouro 2018 não será mais dia 28


Resultado de imagem para foto da copa ouro de futsal itaitubaA Copa Ouro de Futsal Masculino teve seu início adiado em função de alguns detalhes importantes que ainda não estão resolvidos.

Entre as pendências importantes está o repasse da prefeitura, que tem que ser feita para uma entidade totalmente legalizada, a qual terá que prestar contas da aplicação do valor repassado.

A abertura que estava marcada para o dia 28 de abril, ainda não tem data definida, mas, vai retardar em uma ou duas semanas.

Em conversa com um dos dirigentes mais atuantes da competição, o empresário Wallace Moraes, (A Manauara), disse que seis clubes estão confirmados.

Trovão Azul, Hay-Fay, Madeireira Angelim, A Manauara, América e Lojão Mil Estilos, que entra na vaga do Genasc.

Com Climafrio e Cálculos de fora, a Copa Ouro 2018 repete o que ocorreu ano passado, quando apenas seis clubes participaram.

Com a criação da Liga Itaitubense de Futsal, essa entidade é a responsável pela continuação desse evento, tendo à frente o professor Sérgio Castro Pock, Tatalo e Pereira, que mais uma vez coordenação a competição.