quarta-feira, outubro 17, 2018

Ferramenta vai apurar e punir quem espalhar fake news

Já está funcionando no Brasil a nova ferramenta do Facebook que vai apurar denúncias e punir quem espalha boatos e desinformação no segundo turno das eleições 2018. Ela está funcionando desde o mês passado nos EUA, que neste ano tem eleições legislativas.
A ferramenta de denúncia de posts agora traz a opção "Informações de votação incorretas", para ser usada quando, segundo o Facebook, houver "distorções sobre as maneiras de votar, como solicitações para que você vote via mensagem de texto e declarações não oficiais de contagem de votos”.
O Facebook também disponibilizou canais de comunicação para as autoridades eleitorais do governo para que também possam fazer denúncias.
"Já proibimos ofertas de compra ou venda de votos, assim como deturpações sobre as datas, locais, horários e qualificações necessárias para votar. Nós temos removido esse tipo de conteúdo desde 2016", diz o texto.

terça-feira, outubro 16, 2018

Morte do empresário Paulo André comove familiares e amigos

Paulo André, jovem empresário de Itaituba do ramo da compra de ouro, e também, tendo atuado em outras atividades comerciais, não resistiu a uma pancreatite aguda, morrendo na noite de ontem no Hospital Regional do Baixo Amazonas, em Santarém.


Permaneceu internado por vários dias, tendo saído de um coma, o que fez com que reascendesse a esperança de que pudesse se recuperar. Entretanto, seu estado de saúde voltou a piorar, até o óbito ocorrido ontem.

Trabalhou muitos anos ligados ao grupo Ouro Minas, do qual chegou a ser gerente local, tendo mais tarde aberto seu próprio negócio, mas, continuou ligado ao grupo OM.

Era estudante do recém lançado curso de Direito da FAI, em Itaituba.

Deixa uma lacuna muito grande pelo que fez e pelo muito que ainda poderia fazer por Itaituba e pela região.

O blog manteve com Paulo André, uma relação de amizade, tendo ele deixado sempre as portas abertas, como quando autorizou a veiculação de chamadas em painéis de propaganda eletrônica que tinha em alguns pontos da cidade. 

Isso ocorreu na passagem dos dez anos do Jornal do Comércio.

Sempre que nos encontrava dizia: "estamos aí, amigo. Se precisar de qualquer coisa, é só falar".

Além de um empresário competente e bem relacionado, era um cavalheiro.

Uma grande perda para o município.

Descanse em paz, amigo.

Roberto Maksuda fez a festa da criançada

O empresário Roberto Katsuda, proprietário da World Tractor Hyundai de Itaituba, mas uma vez realizou o sonho e propiciou a alegria de centenas de crianças no município de Itaituba/PA.

Roberto prestigiou alguns dos bairros mais carentes da cidade, levando presentes, picolés e alegria para todos.

Esta é mais uma das ações sociais realizadas pela maior empresa de venda de máquinas para garimpo da região do Tapajós, que faz sua parte social ao devolver dignidade para a sociedade.

“Nossa alegria é realizar sonhos das pessoas e neste Dia das Crianças, ficamos muito felizes por ver crianças alegres ao receber um presente que talvez os pais não conseguiram comprar. Só estamos devolvendo aos cidadãos Itaitubenses o carinho e respeito que tem tido por mim e pela World Tractor Hyundai. Nosso papel estamos fazendo com muita satisfação”, conclui Roberto do World Tractor.

A presidente do bairro Maria Magdalena, Maylin dos Santos agradeceu por mais este apoio do empresário: “Mais uma vez o Sr Roberto ajuda nosso bairro de alguma maneira.

Ao todo foram entregues presentes e picolés para 1000 crianças em cinco bairros de Itaituba. Todas as entregas foram neste dia das crianças (12 de outubro) com a importante presença do empresário proprietário da World Tractor.

O evento contou com a participação do vereador e primeiro suplente de deputado Estadual Wescley Tomaz. “Voltamos hoje aos bairros para agradecer o apoio que tivemos, e ao lado do Roberto, deixar as crianças felizes com um presente”, finalizou o vereador.

Diagnóstico precoce de câncer de mama garante tratamento efetivo aos pacientes do HRBA

Resultado de imagem para foto da campanha outubro rosaHá sete meses longe de casa, Cláudia Gomes, 51 anos, luta contra o câncer de mama no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém (PA). Em fase final do tratamento, ela se sente aliviada por ter descoberto a doença a tempo. “Eu fiz mamografia, mas já suspeitava quando senti um nódulo na mama. Com certeza, o Outubro Rosa é muito importante para alertar as mulheres a fazerem o exame e descobrirem o problema antes e iniciar o tratamento com mais facilidade”, conta a moradora de Juruti, que fica localizado no Oeste paraense.

O câncer de mama é a doença mais comum entre os pacientes do setor de Oncologia do HRBA, que atinge pouco mais de 35% dos 1.776 pacientes em tratamento. E para alertar homens e mulheres sobre o avanço da doença, surgiu a campanha mundial Outubro Rosa. Anualmente, as instituições de saúde reforçam a importância da adoção de hábitos de vida saudáveis e da preocupação em garantir o diagnóstico precoce. Em 2017, o HRBA realizou 2.500 mamografias.

“O diagnóstico precoce permite o tratamento mais adequado com cirurgia, sem necessidade de internação prolongada, uso maior de quimioterapia, perda de cabelo, todas essas coisas que acontecem. A gente consegue minimizar os efeitos com o tratamento mais efetivo”, afirma o coordenador do Serviço de Oncologia e cirurgião do HRBA, Marcos Fortes.

Após passar por cirurgia reparadora e finalizar as sessões de quimioterapia, Cláudia vai iniciar o processo de radioterapia. “Hoje eu me sinto bem, porque consegui descobrir a tempo. E sempre que conto a minha história, eu digo para as minhas amigas se cuidarem. Agora eu estou mais atenta do que nunca, até por conta da minha idade”, diz a paciente.

O câncer de mama, por não ter uma causa única, pode surgir por conta de vários fatores, como os genéticos, hereditários e a idade.  “A mamografia é o exame que tem o maior impacto na detecção e é indicado para mulheres entre 40 a 70 anos, anualmente. A gama de tratamento modifica muito se demorar a diagnosticar, não interferindo só para o paciente, com uma perda de efetividade no tratamento, mas, também, aumenta o custo para o sistema público de saúde. Então, o diagnóstico precoce é uma necessidade”, explica Fortes.

De acordo com o Ministério da Saúde, o câncer é a segunda causa de morte no mundo. Segundo estimativa do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o Brasil deve registrar cerca de 600 mil novos casos da doença entre 2018 e 2019.

Hospital

O Hospital Regional de Santarém se consolidou no tratamento ao câncer e se tornou referência no atendimento aos pacientes. Desde a inauguração do serviço, em 2008, já foram realizadas quase 91 mil consultas médicas, 54 mil sessões de quimioterapia e 155 mil sessões de radioterapia.

O Hospital Regional do Baixo Amazonas é um estabelecimento de saúde especializado em casos de média e alta complexidades, reconhecido como um dos dez melhores hospitais públicos do Brasil, sendo referência para uma população de 1,1 milhão de pessoas residentes em 21 municípios do Oeste do Pará. A instituição é certificada pela Organização Nacional de Acreditação com o nível máximo de qualidade, a ONA 3 – Acreditado com Excelência.

HRBA oferece vagas de emprego

Pró-Saúde abre vagas em Santarém para seis cargos, incluindo PCD

A Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar está com vagas abertas para os cargos de Auxiliar de Manutenção, Auxiliar Administrativo – PCD, Auxiliar de Higiene e Limpeza – PCD, Auxiliar de Lavanderia – PCD, Enfermeiro (a) – PCD e Técnico (a) em Enfermagem – PCD, no Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA), em Santarém (PA).

Cargo: Auxiliar de Manutenção
Atividades: auxiliar nos serviços prestados pela área de Engenharia e Manutenção; acompanhar as etapas das operações, revisões, reparos e manutenções preventivas das instalações e equipamentos; colaborar no serviço de obras, auxiliando o pedreiro, bombeiro hidráulico, eletricistas e técnicos de manutenção e refrigeração quando necessário; prestar manutenção nas redes de oxigênio e central de ar, gases, vácuo e ar comprimido.
Requisitos: ensino médio completo, informática básica e noções básicas de manutenção predial e industrial.
Experiência: desejável ter experiência na área de manutenção.
Horário: 220h mensais.
Benefícios: salário + vale-transporte.

Cargo: Auxiliar Administrativo – PCD
Atividades: realizar controle de informações em planilhas e sistemas; imprimir, organizar e arquivar formulários; preenchimentos de formulários e relatórios; realizar serviços administrativos de apoio nas atividades do setor.
Requisitos: ensino médio completo, conhecimento em informática avançada e desejável possuir ensino superior completo ou cursando em Administração ou áreas afins.
Experiência: na área administrativa.
Horário: 220h mensais.
Benefícios: salário + vale-transporte.

Cargo: Auxiliar de Higiene e Limpeza - PCD
Atividades: executar tarefas conforme padronizações e rotinas estabelecidas de forma a manter higienizado o hospital; efetuar a limpeza da área ou setor que está sob sua responsabilidade conforme horário e local estabelecidos.
Requisitos: ensino médio completo.
Experiência: desejável experiência em serviços de limpeza.
Horário: 180h mensais.
Benefícios: salário + vale-transporte.

Cargo: Auxiliar de Lavanderia - PCD
Atividades: realizar o processamento da rouparia utilizada no atendimento aos usuários; selecionar roupas para lavagem e secagem; direcionar a roupa na lavadora seguindo a classificação; encaminhar a roupa já dobrada à rouparia; efetuar o controle de entrada e saída do enxoval.
Requisitos: ensino médio completo.
Experiência: desejável experiência em serviços de processamento de roupas.
Horário: 180h mensais.
Benefícios: salário + vale-transporte.

Cargo: Enfermeiro (a) – PCD
Atividades: organizar a operacionalização do serviço de enfermagem; checar prescrições médicas, evoluir, acompanhar e passar informações clínicas; realizar procedimentos de enfermagem.
Requisitos: ensino superior completo em enfermagem; desejável especialização na área.
Experiência: necessário ter experiência na função.
Horário: 180h mensais.
Benefícios: salário + vale-transporte.

Cargo: Técnico (a) em Enfermagem - PCD
Atividades: prestar serviço assistencial de Enfermagem Hospitalar.
Requisitos: ensino médio completo; curso técnico completo em enfermagem; registro atualizado e ativo no Conselho Regional de Enfermagem do Pará.
Experiência: desejável experiência como técnico de enfermagem.
Horário: 180h mensais.
Benefícios: salário + vale-transporte.

Forma de candidatura: cadastre o currículo em www.prosaude.org.br/trabalheconosco

A Pró-Saúde tem 50 anos de história, promove e valoriza a igualdade de direitos e de oportunidades. A instituição contrata profissionais experientes, pessoas com deficiência ou que buscam a primeira experiência no mercado de trabalho.

Confira estas e outras vagas no Portal de Carreiras da Pró-Saúde:  www.prosaude.org.br/trabalheconosco

Sobre o HRBA

O Hospital Regional do Baixo Amazonas (HRBA) atende casos de média e alta complexidades e presta serviço 100% pelo Sistema Único de Saúde (SUS). No Norte do País, o hospital avança em serviços de saúde, com a implantação de programas de transplantes renais, cirurgias cardíacas e a consolidação do tratamento oncológico. A unidade atende uma população estimada em mais de 1,1 milhão de pessoas, residentes em 21 municípios do Oeste do Pará.

No Norte do Brasil, foi o primeiro hospital público a obter o certificado máximo de qualidade, a ONA 3 – Acreditado com Excelência, concedido mediante o cumprimento das melhores práticas hospitalares e de qualidade assistencial.
O HRBA também se tornou o primeiro hospital público do Brasil a obter o selo “Materiality Disclosures”, emitido pela Global Reporting Initiative (GRI).

Itaituba saiu enfraquecido das urnas

O Horário Eleitoral para o segundo turno da eleição, começou sexta-feira (12). Agora o tempo é bem mais reduzido, apenas dez minutos, cinco para cada candidato. E como a eleição majoritária em segundo turno está  apenas começando, a nossa  avaliação é sobre o resultado das eleições proporcionais.

Nesse contexto, o município de Itaituba saiu das urnas enfraquecido, pois  embora tenha mantido os dois deputados estaduais (Hilton e Eraldo), a derrota do deputado federal Chapadinha foi  ruim para essa parte do E, mas, principalmente para Itaituba, que nos últimos seis anos se acostumou a contar com um legítimo representante na Câmara Federal, primeiro, com ex-deputado Dudimar Paxiuba, e agora com Francisco Chapadinha.

Por uma pequena quantidade de votos Chapadinha não conseguiu a sua reeleição, e assim despede-se do mandato no final do ano. 

Quem vê a política simplesmente pelo lado partidário, pode até estar comemorando esse resultado, mas quem realmente pensa no futuro do município, sabe que a ausência de representação política em Brasília trás enormes  prejuízos para o desenvolvimento de políticas publicas para a população de Itaituba e região. 

E com o resultado das urnas, a partir de 2019 voltaremos a depender de deputados que comprovadamente já demonstraram não ter nenhum compromisso com Itaituba, alguns até no passado recente trabalharam abertamente contra a região, só que o eleitor, mesmo com todos os meios disponíveis que atualmente tem para se informar, ainda continua votando contra seus próprios interesses, e agora o jeito é arcar com as consequências.

Jornalista Weliton Lima - Focalizando

segunda-feira, outubro 15, 2018

Tucano mais bem votado para deputado estadual diz porque apoia Helder no segundo turno

Fonte: blog do Jeso

Doutor Daniel é vereador reeleito em Ananindeua O médico Daniel Barbosa Santos, o Doutor Daniel, 32 anos, acaba de provocar dois enormes abalos sísmicos na política paraense. Primeiro: despontou, abertas as urnas no domingo da eleição (7), como o candidato a deputado estadual mais votado no Pará, o único a ultrapassar a barreira dos 100 mil votos.

Obteve exatos 113.588. Segundo: filiado ao PSDB, legenda que lhe abrigou para o exercício de 2 mandatos de vereador em Ananindeua (2012 e 2016), Doutor Daniel surpreendeu ao declarar há poucos dias apoio à candidatura de Helder Barbalho (MDB

1. A estupenda votação obtida pelo senhor lhe surpreendeu

Doutor Daniel: Sim, muito! Esperava ser eleito, mas nem nas minhas melhores perspectivas esperava passar de 100 mil votos.

2. Qual o número de votos estimado? — Pensava entre 60 e 80 mil votos.

- Pensava entre 60 e 80 mil votos.

3. Por que, eleito pelo PSDB, o senhor resolveu apoiar no segundo turno o candidato a governador do MDB?

— Bom, fiz um primeiro turno procurando cuidar da minha candidatura e andei e ouvi bastante. Sinto que o estado precisa de um novo gás, precisa respirar de um politico da minha geração. Tenho 32 anos e acredito que está na hora de nossa geração participar da politica. Além do mais, o Helder  [Barbalho] é de Ananindeua, município que me deu 42.000 votos. Penso que ele terá um olhar melhor pelo nosso município.

2º Festfut Climafrio de Grama Sintética teve seminais sábado

Aconteceu na noite de sábado passado, 13 de outubro a fase semifinal do 2º Festfut Climafrio de Grama Sintética.

Os resultados foram os seguintes:

 1* Jogo.
Feminino.
CLINICA FISIOFORMA 8 X 4 C&C/TROVÃO.

2* Jogo.
Masculino.
SAPINTO POÇOS ARTESIANOS 2 X 4 MERCADINHO VARGAS.

3* Jogo.
Feminino.
ZERADINHAS 3 X 1 URSO BRANCO

4* Jogo. 
Masculino.
TUBARÃO 3 X 4 HORIZONTE.

Finais, na quinta, 20/10, à noite:

Feminino.
ZERADINHAS X CLÍNICA FISIOFORMA

Masculino.
MERCADINHO VARGAS X HORIZONTE
-----------------------------
Artilharia


Masculino.
Danilo Ranieri do HORIZONTE com 08 gols.

Feminino.
Morena das ZERADINHAS com 09 gols.

As finais serão quinta feira dia 18 de outubro as 20:30

Foram assinalados 172 gols em 24 jogos.


Média de 7,16 gols por partida.

Com informações da coordenação

Publicação de Edital


Desaparecimento de jornalista saudita abre crise diplomática

O jornalista saudita Jamal Khashoggi, crítico ao governo de Riad, está desaparecido desde o dia 2 de outubro. Ele foi visto pela última vez entrando no consulado de seu país em Istambul.

O caso vem repercutindo na Turquia e na Arábia Saudita, mas outros países também já se manifestaram em relação ao caso, entre eles os Estados Unidos, já que Khashoggi tinha cidadania americana.
     Khashoggi tinha relações próximas da elite e dos príncipes sauditas, mas era um jornalista crítico do regime. Sua família é conhecida no país, seu avô era o médico do rei Abdulaziz Al Saud, que fundou o reino.
Nos anos 90, trabalhou como correspondente internacional cobrindo países como o Afeganistão, Algéria, Sudão e países do Oriente Médio. Durante esse tempo, entrevistou diversas vezes o terrorista Osama bin Laden. Nos últimos anos trabalhava como comentarista político e aparecia em canais árabes e internacionais.
Em 2017 ele decidiu se mudar para os Estados Unidos, temendo por sua segurança, depois que o príncipe Mohammed bin Salman começou a combater dissidentes sauditas. Detentor de cidadania americana, ele colaborava para o jornal “The Washington Post”.
No dia 2 de outubro, Khashoggi foi ao consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia, para pegar um documento para se casar com a sua noiva turca, enquanto ela ficou esperando na porta. Uma imagem de câmera de segurança mostra ele entrando no prédio do consulado. Mas a polícia turca diz que não há registro da saída dele. Autoridades do país suspeitam que ele tenha sido assassinado dentro do consulado. A Arábia Saudita diz que ele saiu do prédio, mas não forneceu evidências.
Investigações - Uma delegação da Arábia Saudita foi à Turquia para se reunir com as autoridades locais e discutir o caso. Segundo o presidente americano Donald Trump, investigadores dos EUA também estão envolvidos.
O jornal americano “Washington Post” disse que há provas do que aconteceu com Khashoggi, mas elas ainda não foram divulgadas. Segundo o jornal, 15 sauditas desembarcaram em Istambul no dia 2 de outubro e estavam dentro do consulado quando o jornalista desapareceu. Eles teriam deixado o país em um avião de uma empresa de Riad.
O “Wahsington Post” e o “The Sabah”, turco, citam a existência de uma gravação de áudio que mostraria como o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi interrogado, agredido e morto no local.
O “The Sabah”, que tem publicado informações vazadas por autoridades de segurança da Turquia, afirma que o arquivo de áudio foi gravado pelo Apple Watch de Khashoggi e foi recuperado pelo seu iPhone, que tinha ficado com a sua namorada fora do consulado, e pela sua conta no iCloud.
O presidente turco Recep Tayyip Erdogan disse que está “preocupado” com o caso e desafiou o regime saudita a provar que o jornalista saiu do consulado. "Se sair um mosquito (do consulado), seus sistemas de câmera vão interceptar", afirmou aos jornalistas a bordo do voo que o trazia de uma visita a Budapeste.
O ministro britânico das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, advertiu que as autoridades sauditas se expunham a "sérias consequências" em caso de responsabilidade no desaparecimento, ou possível assassinato do jornalista.
Inicialmente, Trump pediu explicações à Arábia Saudita, aliado tradicional dos Estados Unidos com o qual a administração Trump estreitou ainda mais os vínculos. Nesse fim de semana, Trump subiu o tom e ameaçou infligir "severa punição" se as investigações provarem que o príncipe saudita foi o mandante do suposto crime. Mas disse que preferia evitar sanções econômicas.
A Arábia Saudita classifica a acusação de que o jornalista foi morto no consulado como “infundada” e “mentirosa”. Também autorizou as buscas no local. No fim de semana, em uma aparente resposta a Trump, o reino divulgou um comunicado rejeitando qualquer ameaça de sanções e dizendo que vai contra-atacar em caso de medidas hostis. (G1)

Publicação de Edital


domingo, outubro 14, 2018

Após escolherem o PT no 1º turno em três eleições, 412 cidades migram para Bolsonaro

Foto: Secom/JPFolha - Jair Bolsonaro (PSL) impôs a Fernando Haddad (PT) uma derrota no primeiro turno em 412 cidades consideradas redutos petistas pelo país, segundo levantamento da Folha de S.Paulo. Nesses locais, o capitão reformado reverteu a tradição de vitória do PT, vista nas três últimas eleições presidenciais.

Em todas as cidades analisadas, Bolsonaro obteve ao menos 34% dos votos válidos. A força eleitoral do candidato do PSL e o avanço do antipetismo o fizeram alcançar mais de 50% dos votos válidos em 138 desses municípios.

Houve locais em que Bolsonaro venceu por muito pouco. A menor diferença foi vista em Romelândia (SC), onde o PSL teve 40,98% dos votos contra 40,95% do PT. Na outra ponta, em Saquarema (RJ), a virada de perfil foi mais radical: 68,46% para Bolsonaro e 11,7% para Haddad.

No Rio, 45 municípios antes petistas deram vitória a Bolsonaro. Boa parte está na Baixada Fluminense, a região mais violenta do estado, e nas regiões metropolitana e norte fluminense, onde estão cidades petroleiras que prosperaram nos tempos de bonança do setor.

São regiões que, se por um lado se beneficiaram com os investimentos de governos petistas, foram também das que mais sentiram os efeitos da sua derrocada.
Na Baixada, o legado petista da criação de institutos federais em Duque de Caxias, Nova Iguaçu, São João de Meriti, Belford Roxo e


Magé não foi suficiente para impedir a “onda Bolsonaro”. Haddad chegou a dizer, em campanha na região, que Bolsonaro não havia feito, durante sua vida parlamentar, nem 10% do que ele fizera pelo Rio como ministro da Educação de Lula (PT).

Em Nova Iguaçu, município que já foi administrado por Lindbergh Farias (PT) por dois mandatos, Bolsonaro recebeu 65% dos votos válidos.

Segundo o sociólogo, professor Universidade Federal Rural do Rio e estudioso da Baixada, José Cláudio Souza Alves, de fato os governos petistas levaram à região investimentos inéditos em educação e programas sociais.

Essas intervenções, contudo, não teriam sido, na avaliação do professor, profundas a ponto de mudar a realidade histórica da política local, marcada pelo clientelismo e fisiologismo e dominada por grupos de extermínio e milicianos que utilizam sua força para eleger vereadores locais. As igrejas evangélicas completam o grupo que dá as cartas na política da região.

Digamos que a Baixada não foi como no Nordeste, em que o PT se estabeleceu desbancando vários líderes históricos locais, como na Bahia, e ali criou uma base fiel de eleitores”, disse.

Nesta eleição, os grupos tradicionais da política local, aliados do PT e do governo do MDB do Rio na última década, migraram para Bolsonaro, cujo discurso antipetista lhes caiu como uma luva.

Primeiro porque, ao responsabilizar unicamente o PT pelo fracasso do país, retira os políticos tradicionais locais do rol de responsáveis pelas más condições das cidades e segundo porque as ideias de Bolsonaro convergem com seus interesses.

As duas principais correntes evangélicas da Baixada, Assembleia de Deus, cujo braço político é o PSC, e a Igreja Universal, que detém a TV Record, declararam apoio a Bolsonaro e ajudaram a turbinar sua votação em cidades como Duque de Caxias que chegam a ter 40% de sua população formada por cristãos.

Já os grupos milicianos e de extermínio, formados basicamente por policiais e ex-policiais, se aproximam das propostas de Bolsonaro na segurança.
Se a lei que exclui o policial de responder a crime por atos durante o serviço existisse antes, os grupos de extermínio não precisariam usar máscaras para cobrir o rosto em suas ações”, diz Alves.
No estado, Bolsonaro tenta emplacar o ex-juiz federal Wilson Witzel (PSC) no governo. O político que ultrapassou os votos de Eduardo Paes no primeiro turno, foi muito bem votado entre os policiais, por exemplo.

Todo esse cenário se somou ao fato de que a população da Baixada já guardava certa mágoa com o PT por conta de promessas eleitorais não cumpridas durante a parceria de mais de uma década com os governos do MDB no Rio.

O Arco Metropolitano, via expressa que liga os principais municípios da Baixada, feita com recursos federais e estaduais e inaugurada, com atraso, um mês antes da campanha de 2014, é hoje exemplo do que se tornou o estado do Rio: mal acabada, sem iluminação e insegura, é palco de assaltos diários.

As cidades de São Gonçalo e Itaboraí, na região Metropolitana, e Campos dos Goytacazes, região norte fluminense, deram votos em Bolsonaro na esteira do fracasso da política energética no país e da paralisação da Petrobras com a Lava Jato.

PELO PAÍS
Entre as cidades que abandonaram o costume de eleger o PT, estão seis capitais, a maioria no Norte – Manaus, Belém, Natal, João Pessoa, Porto Velho e Macapá.

Na avaliação do cientista político Edir Veiga, da Universidade Federal do Pará, o voto nas capitais do Norte do país, assim como em outros grandes centros urbanos, representou uma rejeição à política tradicional após sucessivos escândalos de corrupção.

Capitais que notoriamente votavam na esquerda para presidente abandonaram a classe política tradicional e deram um voto de protesto para Bolsonaro. No interior, onde se depende do Bolsa Família e do seguro defeso, se tem saudades das políticas públicas do 

Lula. Nas capitais isso não ocorre”, afirma.
Na região, a campanha de Bolsonaro terá reforço ao menos no Amazonas e em Rondônia, onde o capitão reformado terá palanques duplos, sendo apoiado pelos dois candidatos a governador no segundo turno.

Em Minas Gerais, estado com 853 municípios, Bolsonaro interrompeu a sequência de vitórias petistas no primeiro turno em 141 cidades. Embora não tenha vencido na capital, Belo Horizonte, ele conquistou cidades de destaque em diversas regiões, como Uberlândia (Triângulo), Ipatinga (Vale do Aço), Montes Claros (Norte), Juiz de Fora (Zona da Mata), 

Teófilo Otoni (Mucuri), Betim e Ribeirão das Neves (Região Metropolitana).
Em Juiz de Fora, cidade palco do atentado a faca contra Bolsonaro, o capitão reformado quebrou uma tradição de vitórias petistas em eleições nacionais que vinha desde 1998. Em 2002, foram 83% de votos para Lula contra José Serra (PSDB).

Ao mesmo tempo em que a cidade mantém um perfil universitário, com movimento estudantil e comunidade LGBT organizados, também tem a presença de um contingente militar expressivo, com dois batalhões do Exército e três da Polícia Militar.

Segundo Carlos Ranulfo, cientista político da Universidade Federal de Minas Gerais, a vitória de Bolsonaro em grandes cidades mineiras não é um fenômeno específico do estado, ao contrário, faz parte de uma tendência nacional.

Ranulfo vê dificuldade para Haddad entre cidades maiores e entre a classe média. Por isso, perdeu em Montes Claros, por exemplo, que apesar de estar no norte mineiro, onde o petismo é expressivo, é uma das mais populosas de Minas.

Minas reflete o que aconteceu no Brasil. Os únicos lugares em que o PT venceu foram em algumas regiões mais pobres do norte, que são basicamente muito parecidas com o Nordeste. No Sul e Triângulo, o PT venceu quando estava na maré a montante, ganhando em todo lugar”, disse.

Ranulfo lembra que o recuo do PT em Minas estava anunciado desde 2016, quando passou de 114 prefeituras para 37. Bolsonaro, por sua vez, pode ter sido impulsionado por candidatos a deputado e senador que, mesmo em outros partidos, aderiram a ele.

Políticos da chapa de Antonio Anastasia, candidato a governador do PSDB, passaram a pedir votos a Bolsonaro ainda no primeiro turno. O tucano não declarou apoio, mas se disse contrário ao PT no segundo turno.

Já seu adversário Romeu Zema (Novo) foi mais explícito e dará palanque ao capitão reformado. Surpresa da eleição, o empresário terminou em primeiro no domingo (7) pegando carona no PSL.

É Campeão!

 Sexta-feira, 12 de outubro, o Centro Esportivo Urso Branco desenvolveu uma manhã de atividades para suas 240 alunos que fazem parte das escolinha de futsal.

Para os adultos, até pode ter sido apenas uma brincadeira, mas, para a garotada, cada jogo foi uma decisão de Copa do Mundo.

Os atletas que tem idade para disputar competições foram divididos em dez times. 

Para os melhores foram organizadas diversas brincadeiras.

O time da foto, do qual fez parte o Parentinho, em duas das três partidas que disputou, começou perdendo por 2x0, mas foi buscar o resultado.

No penúltimo jogo, que terminou com o placar de 2x2, coube fazer Parentinho bater a penalidade que classificou seu time para a final.

De novo, o adversário fez 2x0, mas, equipe de gosta de grandes emoções é assim. Final, 3x2 para o time dele, que ficou com o título. 

A partir do dia 10 de novembro a Escolinha de Futsal Urso Branco vai promover a segunda copa, com jogos sendo realizados aos sábados.

Os times já estão formados e sendo preparados.

O empreendimento de Daniel Oliveira, Dolores, Gabriel, Júnior, Danilo e Daniele, vai de vento em popa. Há uma lista de espera de cerca de 40 alunos, esperando alguma desistência.

Com muita disposição e pouco dinheiro, Júnior Pires foi bem votado


Júnior Pires foi um capítulo à parte nesta eleição. Recebeu 14.140 votos, que ele tem todo o direito de dizer que foram votos seus, porque foram conquistados por ele e pelos que acreditaram no seu projeto político.

Não teve votos suficientes para se eleger, é verdade, mas, os votos que conseguiu, valorizam muito sua campanha e sua jovem carreira política, e calaram a boca dos que disseram que estava perdendo seu tempo.

Candidato em voo solo, pois não contou com nenhum candidato a deputado estadual, um só para chamar de seu, sem apoio da cúpula do seu partido, o PSC, que não mandou para a campanha de Júnior Pires, um mísero centavo do fundo partidário, mesmo assim, gastando muita sola de sapato, visitando muita gente, com o apoio irrestrito de sua família, e conseguindo apoios espontâneos, teve mais votos do que muitos candidatos até mesmo de sua coligação, com condições muito superiores.

Uma coisa é certa, o vereador Júnior Pires saiu da eleição fortalecido para seus projetos políticos futuros, pois, no mundo particular da política, o político vale os votos que tem, Se tem muito votos, sua cotação é alta, mas, se tem pouco voto, seu prestígio é baixo.

Júnior disse ao blog do Jota Parente, que considerou o resultado da eleição muito positivo.

Tudo aquilo que a gente se determina a fazer, a gente ter o resultado expressivo. Não fui eleito, mas, nos damos por vitoriosos porque nós participamos do processo democrático que são as eleições, que ocorreram de forma muito intensa.

Houve sete candidatos a deputado estadual, e os sete candidatos tiveram suas preferências de apoiar os seus candidatos a deputado federal. Eu não tive apoio de nenhum deles. Isso, com certeza, acabou prejudicando um pouco a minha votação.

Nós estávamos sozinhos, trabalhando apenas com o nosso grupo de apoio, e a população entendeu a mensagem, dando-nos uma votação expressiva, já que passamos dos 10.400 votos somente no nosso município de Itaituba. Com isso, alcançamos a primeira posição dos candidatos a deputados federais mais votados no nosso município.

Nossa votação geral superou os 14 mil votos (14.100), insuficiente para galgar uma cadeira na Câmara Federal, porém, consolidamos nessas bases, nos tornamos uma figura pública política mais evidente na vida do Estado e da nossa região.

Blog do Jota Parente - Júnior, na tribuna, você disse que foi uma campanha difícil, com poucos recursos, incluindo a exclusão de doação de verba do fundo partidário para sua campanha…

Júnior Pires-  Sim, isso pesou bastante, porque o partido, inicialmente, incentivou nossa candidatura, porém no curso da campanha, por uma preocupação até compreensível de manter uma vaga na Câmara dos Deputados por conta do fundo partidário, o partido (PSC) entendeu que a região do Oeste paraense precisava de um representante do partido para concorrer às eleições.

Passamos na convenção, mas, o partido não ajudou com fundo partidário e por isso prejudicou muito nossa candidatura.

Nossa campanha foi feita com os recursos financeiros bem limitados, na base de coleta, na base de ajuda da família, de alguns amigos que Deus nos deu no nosso município. Graças a essas ajudas, nos tornamos conhecidos em outros municípios, tendo obtendo mais de 4 mil votos fora daqui.

Isso faz parte do processo político, e essas coisas não nos desanimaram, nem tampouco nos levaram a pensar em desistir, Itaituba entendeu a nossa candidatura, Itaituba levou-nos à primeira posição para deputado federal, e o fato de ser o primeiro colocado já foi uma grande vitória para o nosso projeto, que não é um projeto pessoal, mas, de um grupo que acredita que é possível melhor a situação do nosso município e que é possível melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem aqui e em outros municípios da região. É dessa forma que eu entendo a finalidade da política. Ela não pode servir, primordialmente, para satisfação de egos e locupletação pessoal”.

Os motivos por que voto em Helder


O Estado do Pará tem dois bons nomes disputando o segundo turno da eleição para governador. De fato, considero Márcio Miranda e Helder Barbalho duas boas opções para o eleitor paraense. Porém, faz tempo que escolhi em quem votar, e tenho os meus motivos para isso, que exporei nesta conversa.

Na condição de Radialista e Jornalista, com quase meio século de estrada, com o ambiente familiar bem estruturado que tive na minha criação, deu para aprender alguma coisa sobre política, atividade tão vilipendiada em nosso país, mas, que influencia nossa vida desde que nascemos.

Márcio Miranda tem sido um bom parlamentar, com trânsito livre em todas as correntes do parlamento estadual, com um histórico de ótimo relacionamento com todos os deputados. Na condição de presidente da ALEPA, não discrimina deputado algum, independentemente de ser do seu grupo político, ou de oposição.

Em momento algum da campanha gastei meu tempo tentando colocar pechas no candidato, porque não sou adepto desse tipo de campanha. Mas, meu candidato a governador do Pará sempre foi Helder Zaluth Barbalho.

Um dos motivos para não votar em Márcio Miranda é o continuísmo que ele representa, de um governo que já teve os seus bons momentos, mas, já faz tempo.

Márcio não tem propostas claras para tirar o Pará do atoleiro que o governador Simão Jatene o meteu. Talvez até tenha, todavia, não nos disse nada sobre o assunto, talvez porque pudesse contrariar o chefe. Nem para a segurança pública, que está entregue às baratas, nem para a Educação, em nível de Ensino Médio, responsabilidade do Estado, que Jatene deixou ir para o brejo, com chocalho e tudo.

Almir Gabriel foi o melhor governador que o Pará teve. Se não é unanimidade, essa é a opinião da grande maioria dos paraenses. E Almir, além de um grande governador, foi também um grande líder, coisa que Jatene não é. Ele é muito bom quando se trata dele mesmo disputando uma eleição. Quando são outras pessoas, não é a mesma coisa, como aconteceu com o próprio Almir, quando perdeu Ana Júlia, quando Jatene era governador.

Márcio não teve como dissociar sua imagem da figura de Simão Jatene, pois foi ungido por ele para ser candidato ao governo. Talvez pague caro por isso, no caso de não se eleger, porque deixou a disputa de uma vaga para o Senado, que era tida por muita gente como certa, ou, no mínimo uma cadeira na Câmara Federal, convencido que foi de que poderia ganhar de Helder.

Mas, há outros motivos que me fizeram decidir votar em Helder, já faz algum tempo, mesmo não votando em Jader Barbalho, de jeito nenhum, por considerá-lo um mau político, tanto que foi um dos maiores gazeteiros do Senado Federal nesse mandato que está terminando, além de toda a ficha corrida que tem, que é de amplo conhecimento.

Quando foi nomeado Ministro dos Portos, Helder não sabia nem como se amarra uma canoa. Teve humildade para pedir para um professor de Curitiba, que faz palestras sobre o assunto pelo Brasil e até fora do país, que sabe tudo sobre a matéria e tem mais de trinta anos de experiência, para ajudá-lo a entender o novo desafio que teria pela frente.

Durante trinta dias, o professor foi à residência de Helder, em Brasília, onde ministrou aulas das 7:30 às 9:00, para um aluno que o surpreendeu, como confidenciou poucas semanas depois que as aulas terminaram. Foi o aluno mais aplicado que teve em seus mais de 34 anos de carreira, disse o professor.

Nomeado Ministro da Integração Nacional, Helder estabeleceu como uma das metas prioridades absolutas de sua pasta, o andamento da obra de transposição do Rio São Francisco.

No dia 17 de setembro de 2017 a imprensa nacional divulgou o seguinte fato:

O Ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, esteve nesta segunda-feira (11) no município de Cabrobó, no Sertão de Pernambuco, para autorizar a abertura das comportas da Barragem de Tucutu. A barragem faz parte do Eixo Norte da Transposição do Rio São Francisco.

Com a liberação da água, cerca de duas mil famílias, que moram nesta região, serão beneficiadas. Da Barragem de Tucutu, a água vai seguir um percurso de 45 km, até chegar em outro reservatório, no povoado de Baixio dos Grandes, que também fica em Cabrobó.
O Eixo Norte da Transposição tem 260 km de extensão e vai levar a água do Rio São Francisco para mais de 390 municípios dos estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte.

O que não foi noticiado foi o que aconteceu alguns meses antes disso.

Helder participava de uma reunião de trabalho no Ministério da Integração, durante a qual ele perguntou ao secretário do ministério, em quanto tempo será possível comprar as bomas necessárias para fazer o bombeamento da água. O secretário respondeu, que com muito otimismo, uns seis meses, por causa da burocracia.

O ministro disse que não seria possível esperar tanto tempo, porque as pessoas que precisavam dessa água não tinham todo esse tempo.

Foi então que ele suspendeu a reunião por alguns minutos para ligar para o então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, que havia comprado bombas iguaizinhas para a Cantareira, no auge da seca que atingiu até o abastecimento d’água em São Paulo.

Alckmin prontificou-se a ceder as bombas por empréstimo ao governo federal, e assim foi feito. As bombas foram mandadas para a região do sertão de Pernambuco onde precisavam ser instaladas, e pouco tempo depois entraram em funcionamento.

Esses dois fatos convenceram-me de que Helder está preparado para assumir o governo do Estado, porque tem mostrado humildade quando deve, e capacidade de tomar decisões fundamentais quando é preciso, qualidades que deveriam ser inerentes a qualquer agente público que pleiteie cargos dessa magnitude.

Repito: o Pará tem dois bons candidatos disputando o segundo turno, mas, um deles, na minha concepção, está melhor preparado para comandar.

Espero que ele não me decepcione, caso seja eleito. Se o fizer, daqui a quatro anos não terá mais o meu voto, porque eu não brigo por causa de candidatos, não tenho paixão por candidato. Eu não embarco na onda de votar em alguém do tipo: voto nele, porque sim. É preciso que o candidato, ou, se for o caso, alguém que tenta a reeleição, justifique merecer o meu voto.

Não votei, e não voto em Jader, de jeito nenhum, mas, voto em Helder, que por enquanto merece a minha confiança. Espero que não a traia.

Jota Parente