sexta-feira, dezembro 07, 2018

Publicação de Edital

JAISSON MAGNESKI, CPF n° 040.788.489-07, torna público que requereu junto aSEMMA de Itaituba/Pa sob o processo n° 1222/2017 a Licença de Operação – LO, para exercer a atividade de lavra garimpeira na Fazenda Cooperflora/Avix – Processo DNPM
850.483/2018.

Protocolo número 987/2018

Publicação de Edital

O empreendimento J. C. de Macedo Serviços Administrativos de Metais Eireli - ME, com nome de fantasia, Pepitas Metais, CNPJ: 28.536.300/0001-09, localizado na travessa 13 de Maio, 360, bairro Bela Vista, CEP:. 69.189-635, solicita da Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SEMMA, Itaituba/PA, Licença de Operação - LO, para atividade de compra e venda de ouro e similares.

Nova ministra dos Direitos Humanos avisa que é 'hora da igreja governar'

A futura ministra dos Direitos Humanos do governo Bolsonaro, pastora Damares Alves, teve um vídeo polêmico divulgado esta quinta-feira (6). Em um discurso para evangélicos no ano de 2016, Damares disse que é o “momento de as igrejas evangélicas governarem o Brasil”.

A nova integrante do governo Jair Bolsonaro expôs as ideias no púlpito da Igreja Batista da Lagoinha, em Belo Horizonte. A fala foi gravada em maio de 2016 e já teve mais de 160 mil exibições no YouTube.

“As instituições piraram nesta nação. Mas há uma instituição que não pirou. E esta nação só pode contar com essa instituição agora. É a igreja de Jesus”, disse a futura ministra.

“Chegou a nossa hora”, prosseguiu a pastora. “É o momento de a igreja ocupar a nação. É o momento de a igreja dizer à nação a que viemos. É o momento de a igreja governar”, conclamou.

Aos fiéis mineiros, Damares disse que o protagonismo da política seria um desígnio de Deus. “Se a gente não ocupar este espaço, Deus vai cobrar da gente”.

A pastora criticou o Supremo Tribunal Federal por discutir temas como a descriminalização do porte de drogas para consumo próprio.

“Onze homens que não foram nem eleitos pelo povo brasileiro vão decidir se a gente libera ou não o consumo de drogas no Brasil”, disse.

“Eles estão lá querendo decidir se legaliza ou não o porte de droga. E quem legaliza o porte, legaliza o consumo, porque para portar, alguém vai ter que comprar. Palhaçada!”, acrescentou.

Em outra passagem, a nova ministra disse que a escola “não é mais lugar seguro” e que as crianças só estão protegidas nas igrejas evangélicas.

“Só há um lugar seguro em que o seu filho está protegido nesta nação. É o templo, é a igreja, é ao lado do seu sacerdote”, afirmou. “Não podemos confiar em mais nenhuma instituição neste país para cuidar dos nossos filhos, todas elas estão falidas. A escola não é mais lugar seguro para os nossos filhos”.

(Com informações de O Globo)

quarta-feira, dezembro 05, 2018

Quase saindo.da Argentina

Amanhã sairei muito cedo, porque pretendo dormir em Uruguaiana, 932 km de onde estou. Então, só saindo muito cedo para não repetir algumas extravagâncias desnecessárias que já fiz  mais uma vez de pilotar à noite.

Hoje, finalmente, consegui deixar o frio para trás. Onde era estou, usa-se aquecedor no inverno e ar-condicionado no verão. Para trás só tem aquecedor.

Está caminhando tudo bem, e quando pisar em solo brasileiro terei condições de calcular com bastante aproximação quando estarei em Itaituba. Aproximadamente, pois como tem chovido bem por aí, chegar a Castelo de Sonhos é uma coisa, mas, dia e hora para chegar a Itaituba é outra.

Depois eu vou contar com detalhes, mas, só como aperitivo: tenho andado por diferentes estradas da Argentina. É de dar uma saudável inveja de ver como são bem conservadas. E com muita segurança. Não se avança mais de 250 km sem encontrar um posto da Gerdameria, uma espécie de polícia militar nacional, ou da Polícia Caminera, a PRF daqui.

Em se falando de segurança das rodovias, quem percorre este país sente-se plenamente seguro.

Grande abraço

Jota Parente

sábado, dezembro 01, 2018

Publicação de Edital

O empreendimento nome de fantasia Baby Som Comércio Ltda., com CNPJ: 26.571.520/0001-48, com o número de protocolo do processo 744/2018, cep 68.180-633, solicita da Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SEMMA, Licença de Operação (LO) para atividade de como a varejo de peças e acessórios novos para veículos automotores, com endereço localizado na rua José Ferreira Brito, bairro Bela Vista, em Itaituba/PA.

Amanhã começa a volta para Itaituba

Cumpri bem cumprida aqui em Ushuaia a agenda que me propus. Vou aproveitar que a previsão do tempo informa que amanhã a temperatura máxima poderá chegar aos 13 graus. Segunda já será mais baixa.

Já ambientado, estou mais preparado para o retorno, que farei pelo caminho mais curto, respeitando os limites que a estrada impõe. Tenho pressa de voltar para casa, sem afobação.

Saio de Ushuaia deslumbrado com o que vi, que ao vivo é muito mais bonito. Levo muitas fotos e alguns poucos filmes para mostrar.

Nos encontraremos na nossa querida Itaituba daqui a pouco.

Até mais ver.

Publicação de Edital

Francisco do Nascimento Moura, proprietário do garimpo Pista Nova, CPF: 152.866.902-97, torna público que requereu da Secretaria Municipal de Meio Ambiente do município de Itaituba/Pará - SEMMA, no dia 24/10/2018, através do processo 851/2018, para atividade de Lavra Garimpeira (PLG), minerais garimpáveis (ouro), a ser exercida na APA do Tapajós, zona rural de Itaituba/PA.

quarta-feira, novembro 28, 2018

Notícias da Estrada

Passei por Buenos Aires no sábado

Depois de conhecer um pouco da cidade, tratei de continuar descendo rumo ao extremo sul, o meu objetivo primordial.

Ontem e hoje foram dois dias atípicos com acontecimentos que quase comprometem totalmente o projeto.

Ontem eu almocei no hospital da cidade argentina de Caleta Olívia, mesmo ny estando na agenda. Motivo? Queda da moto. Achei que a viagem estava acabando. Felizmente, não.

Estava devagar, quase saindo da cidade. Caí pilotando bem devagar, por causa de umas pedras pequenas, mas, um dos  médicos de plantão mandou verificar o nível de glicose, que estava muito elevada pela loucura da viagem, aliado à alimentação completamente descontrolada.

Segundo o Dr. Alfonso Hielz, é grande a chance de eu ter sofrido um apagão super rápido, que me fez perder o controle da moto, pois o lugar onde caí é praticamente reto.

Era 8:30 quando cheguei ao hospital, onde não havia planejado almoçar, mais de sete mil km de casa. Para minha sorte, foram apenas escoriações, e pequenos danos na moto.

Hoje, comecei pegando uma neblina braba, que veio com um frio danado, mas, bota frio nisso, aliado a um vento gelado, que só faz piorar a situação.

Como fiz o.ditafo que desgraça pouca é bobagem, três horas mais tarde chegou uma chuva acompanhada de granizo. É a segunda vez que acontece. A primeira foi perto.dr Cusco. A diferença é que em Cusco as pedras de gelo davam para colocar no whisky. As daqui era minúsculas. Menos mal.

Amanhã chegarei a Ushuaia, distante 580 km de onde estou, na cidade de Rio Gallegos.

Grande abraço a todos.

domingo, novembro 25, 2018

Oh pedágio caro, o nosso!

Pagar pedágio não é o problema, sim, o que a concessionária faz com o dinheiro.

Perdi a conta de quantas vezes tive que parar para pagar pedágio no Brasil.

Por incrível que pareça, não é do mais caro que paguei até agora do qual reclamo, porque onde tive que desembolsar R$ 7,00, no Paraná, o trecho é uma beleza. Mas, não é assim com todas as concessionárias. Tem trechos que deixam a desejar, sem buracos mas, só o básico.

No Uruguai passei por três pedágios. Em todos eles motos não pagam. Na Argentina, passeia por muitos com passagem livre para moto, e paguei três pedágios.

Sabem quanto? R$ 0,90 cada vez. E a rodovia é excelente. Detalhe: quem cobra é o próprio governo, que quando faz algum desvio, é porque está recuperando algum trecho, diferente do Brasil, onde o desvio é do dinheiro, mesmo. 

Bom domingo a todos.

Sete graus, é mole?

Amanheceu fazendo seis graus na cidade de Azul, na Argentina.

Com uma temperatura dessa não tem como pegar a estrada para pilotar uma moto. O jeito é esperar o Sol fazer sua parte, o que já começa a acontecer.

Aqui na Argentina, durante os últimos três disse não se falou outra coisa que não fosse da decisão.da Libertadores.

Depois da confusão de ontem, então, as TVs, jornais, rádios e mídias sociais falam da vergonha que isso representa para o país no mundo todo.

PM do Ceará mata seis bandidos em tentativa de assalto

Uma tentativa de assalto a um carro-forte terminou com seis suspeitos mortos num confronto com a polícia na manhã desta sexta-feira (23), em Quixeré, de acordo com a Secretaria de Segurança do Ceará.

Seis fuzis e munições de diversos calibres, explosivos, coletes balísticos e outros artefatos foram apreendidos, confirmou a SSPDS. De acordo com o órgão, a operação foi planejada durante a última semana numa parceria entre a Polícia Federal e a Coordenadoria de Inteligência (Coin) da secretaria. A ação foi realizada por equipes do Grupo de Ação Táticas Especiais (Gate) da PMCE.

Ainda de acordo com a SSPDS, o grupo criminoso estava dividido em três carros, em direção ao Rio Jaguaribe, para interceptar o carro-forte. O Gate foi ao local e foi recebido com disparos. Uma aeronave da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) deu apoio aos policiais em terra.

G1

Torcedora do Paysandu dispara: "Mereceu a Série C mesmo"

Em meio à revolta, a consternação. Com os olhos voltados para o gramado, mas com o olhar no infinito, a torcedora Nilce Sena chorava o rebaixamento do Paysandu à Série C de 2019.


O lamento de Sena foi acentuado pelo o que ela apontou como motivo: "Não consigo entender como alguém joga no Paysandu e não dá o sangue por esse time".


Nilce foi ainda além e disparou: "Infelizmente tenho que dizer que o Paysandu mereceu cair para a Série C. Espero que, agora, aprendam a amar e a respeitar os torcedores que saem de casa para ver um jogo", concluiu.


O Liberal

Atlético-GO fecha o caixão: 5 x 2 e Paysandu está rebaixado para a série C

Não deu para o Paysandu. Mesmo com a festa da torcida, Curuzu lotada e com o ambiente favorável, o Paysandu foi goleado pelo Atlético (GO), na tarde deste sábado (24), na Curuzu e vai foi rebaixado para a Série C em 2019.


A derrota foi de virada e com requintes de crueldade para o torcedor bicolor, que fez uma linda festa, mas acabou saindo frustrada e triste do estádio Bicolor. O resultado de 5 a 2 para o Atlético, manteve o Paysandu na zona de rebaixamento e sacramentou a queda do time bicolor para a Terceirona, após quatro anos. 

O Liberal

sábado, novembro 24, 2018

Gigia, o carrasco

Foi ele quem fez o gol que ninguém esquece no Brasil, mesmo quem ainda nem tinha nascido. Foi o gol do Maranazaço, em 1950.

Com esse time péssimo, o Paysandu só poderia terminar na Série C

Claro que eu não achei a menor graça na queda do Paysandu para a Série C, mas não foi nenhuma surpresa para mim.

Faz umas três semanas que eu conversei com o amigo Iraldo, sobre o time do Papão. Disse a ele que esperava a queda.

Fazia tempo que o Paysandu não conseguia armar um time tão ruim. Péssimo, pra falar a verdade. Só podia dar nisso.

Na reta final, teve a famosa melhora que antecede a morte.

Gostei da manchete de um jornal de Belém: Deus perdoa, a galera azulina a(Remo), não.

Sou Papão, mas mereceu cair.

domingo, novembro 18, 2018

Notícias da estrada, Expedição ao Fim do Mundo

Em Ponta Porã, fronteira Brasil e Paraguai. Do outro lado da rua está
a cidade de Pedro Juan Caballero
Há quatro dias na estrada, e sem dar notícias; mas, explico os motivos. É que já tinha feito esse trecho em 2013. Pelo menos o relevo não mudou nada. Já os acontecimentos da viagem são sempre novos.

Saí de Itaituba na madrugada do feriado de 15 de novembro, quinta-feira, de ônibus, torcendo para não chover, porque já faz algumas semanas que tem chovido na região de Moraes Almeida e Novo Progresso, provocando filas grandes de carretas. Choveu no meio do caminho entre Moraes e Progresso, mas não chegou a atrapalhar.

É cansativo viajar de ônibus de Itaituba até Castelo de Sonhos. São 555 km de uma estrada sofrível, que alterna alguns poucos trechos em boas condições, com outros de pavimento asfáltico esburacado. 555 km que poderiam ser percorridos em seis ou no máximo sete horas em estrada boa, mas, que  consumiu doze horas na nossa maltratada Rodovia Santarém-Cuiabá.

Minha moto já estava há uma semana na loja filial da Tapajós Motos Honda, de Castelo, enviada pelo amigo Edson Uchoa. Na manhã de sexta-feira, bem cedo fui esperar Lídia, a gerente da loja, para receber a moto, amarrar a bagagem e começar a pilotagem na Expedição ao Fim do Mundo.

Às 9:15 peguei a estrada com a intenção de pernoitar na cidade de Rosário do Oeste, em Mato Grosso. Não foi fácil percorrer os 814 km que separam Castelo de Sonhos de Rosário. Consegui com muito esforço chegando no comecinho da noite.

Levantei cedo, ontem, sábado, para tentar dormir depois de Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, o distrito de Anhanduí, onde havia pernoitado na expedição de 2013. Parando pouco, viajei pelos 861 km do trecho e, mais uma vez, cumpri a meta.

Eu sei bem que nem todo dia é possível cumprir a meta, e hoje não deu.

Quem se dispõe a fazer uma aventura como essa, precisa lembrar todo dia, que imprevistos acontecem. Hoje, o imprevisto deu as caras em forma de chuva, e que chuva. Foi chuva daquelas de cachorro beber água em pé, reforçada por um vendaval que parecia querer derrubar a cobertura do posto de combustíveis no qual me abriguei, na cidade de Amambai, ainda em Mato Grosso do Sul. Durou mais de 40 minutos, sem dar a menor chance para pilotar com um temporal daquele.

Enquanto chovia, chegou um time de três motoqueiros, daqueles que tem grana, com três motos que me fizeram ficar acanhado. Duas Harley Davidson e uma Yamaha. Mas, teve troco quando um deles perguntou de onde eu estava vindo e para onde estava indo. Disse que vinha de Itaituba e estou indo para a Argentina na minha pequenina CB Twister 250, pequena perto das supermáquinas deles. Ficaram admirados, porque não fazem jornadas tão grandes como as minhas.

Depois que a chuva deu uma trégua, ficando mais fina, e o vento diminuiu bastante, botei a capa pela primeira vez e cai na estrada novamente.

Aí começou uma experiência nova. Não que eu já não tivesse pegado tempo ruim, mas, numa moto totalmente diferente. E o vento estava mais forte do que eu pensava, o que dificultou muito o meu trabalho de segurar a moto na estrada. Houve momentos que pensei que não conseguiria.

Por conta de todos esses atropelos, hoje só deu para percorrer pouco mais de  500 km, mesmo porque parei mais cedo para descansar, pois os três dias passados foram muito puxados.

Se teve alguma coisa que chamou minha atenção até agora, foi a situação de muitas ruas da cidade de Campo Grande. Ao contrário de Itaituba, onde o prefeito Valmir Clímaco asfalta direto, na capital de Mato Grosso a impressão que se tem é que não tem prefeito. Passei por diversas ruas, e o asfalto está todo remendado, parecendo o perímetro urbano da Transamazônica antes do BEC recuperar.

Sairei cedo nesta segunda para tentar recuperar um pouco do tempo perdido hoje.